Rápidas anotações da virada do ano

victor uchôa
29.12.2018, 05:00:00

Rápidas anotações da virada do ano


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Arena à beira-mar
Antes de começar o batuque dessas linhas – que serão lidas não sei exatamente por quais caros leitores ou belas leitoras, em pleno 29 de dezembro -, fui dar uma conferida na situação geopolítica da praia de Jaguaribe.

Quando a maré vaza naquele perímetro que se estende até a curva do coqueiral de Piatã e o sol incide na inclinação exata - água translúcida no tornozelo, areia com bastante espaço lúdico-desportivo, caldo de cana gelado -, dá até pra afirmar, sem nenhum grau de hipérbole, que Aruba, Bahamas e afins têm que comer muito feijão pra chegar no quilo de uma mera Jaguaribe. Muito.

É nesse exato momento que ali cabe de tudo: dá pra nadar, brincar na redinha, levantar a bola na roda, armar o golzinho, jogar de colete no campão, correr na areia dura, cansar na areia fofa ou simplesmente jiboiar sob o sol.

É também nesse momento que lembro de um projeto sem pé nem cabeça ensaiado pela prefeitura há alguns anos, que visava estabelecer que, em determinada praia, só se poderia praticar o esporte X ou Y.

A coisa era tão malfeita que queriam tirar de algumas praias modalidades que já fazem parte da rotina daquelas regiões – e deslocá-las pra outros pontos da orla onde a prática nunca ocorreu. Típico projeto feito por alguém dentro de um gabinete, que nunca se deu ao trabalho de sair pra ver a cidade antes de propor algo.

Pra nossa sorte, aquela maluquice não foi pra frente. Mais sorte ainda só quando a maré baixa em Jaguaribe o sol bate na água de trivela, daquele jeito.

Piscina à beira-mar
O novo complexo aquático de Salvador foi inaugurado na orla da Pituba, com uma piscina olímpica e outra semiolímpica. Ponto pra prefeitura, que conseguiu trazer pra cá o equipamento utilizado nos Jogos Olímpicos do Rio.

Até pouco tempo atrás, cansei de escrever aqui que era uma vergonha a capital baiana, reconhecida formadora de grandes nadadores, não contar com uma piscina olímpica sequer. Agora, felizmente, temos duas: essa nova e a da Bonocô, administrada pela Sudesb.

Vamos torcer para que as duas sejam efetivamente utilizadas como espaços de formação, dando oportunidade para crianças e jovens acharem um caminho no esporte, com ou sem alto rendimento – isso deve ser sempre reflexo de um trabalho de base, não a meta principal.

E que nossa cidade receba também bons eventos de desportos aquáticos, porque esporte (assim como cultura) é ótimo pra movimentar o turismo e a economia – só quem tem visão estreita não se dá conta disso.

Caminhos opostos 
Pra não terminar o ano sem falar do que mais se fala o ano todo, deixo aqui um pedido de caminhos opostos para Bahia e Vitória: o tricolor deve seguir sua trilha de reestruturação, dentro e fora de campo. Os resultados virão gradualmente.

O rubro-negro, por sua vez, precisa abandonar rápido sua trilha de autodestruição, dentro e (especialmente) fora de campo. Só isso pode mudar os resultados.

Victor Uchôa é jornalista e escreve aos sábados

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas