Região Metropolitana de Salvador registra primeira deflação do ano

salvador
08.05.2020, 11:05:00
(EBC)

Região Metropolitana de Salvador registra primeira deflação do ano

Alimentação puxou para cima, mas combustíveis influenciou para baixo e índice fechou em - 0,16%

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medida oficial da inflação, ficou em - 0,16% na Região Metropolitana de Salvador em abril. Houve uma desaceleração em relação à taxa de março (0,17%) e o número também está bem abaixo da inflação registrada em abril do ano passado (0,83%). Essa foi a primeira deflação registrada este ano na Região Metropolitana de Salvador e é o menor IPCA desde abril de 2017 (- 0,22%).

Quem mais puxou o IPCA para baixo na região foram o etanol (- 9,04%), a gasolina (- 8,61%) e o preço do refrigerador (- 7,66%). Na contramão, os maiores aumentos foram na batata inglesa (52,86%), cenoura (42,76%) e cebola (36,28%).

Dentre os nove grupos de produtos e serviços do IPCA, sete tiveram queda nos preços em abril na RMS. Somente registraram alta o grupo de alimentação e bebida (2,34%) e de habitação (0,35%). 

O grupo de alimentos teve o maior aumento em um mês de abril desde 1995. Ele foi o responsável pela maior pressão inflacionária em Salvador. Os alimentos consumidos no próprio domicílio (2,61%) tiveram forte influência nessa alta. Mas a alimentação fora de casa também teve aumento médio (1,68%) em abril, puxada pelos lanches (6,91%).

Já o grupo habitação teve forte influência da energia elétrica (0,84%) no seu aumento, que foi menos expressivo. 

Por outro lado, a deflação de abril na Região Metropolitana de Salvador (-0,16%) foi capitaneada pelo grupo transportes (-2,14%), seguido por vestuário (-2,28%) e artigos de residência (-2,81%).

A queda nos preços dos combustíveis (-8,45%) foi decisiva para a retração dos transportes, com forte efeito da gasolina (-8,61%) e do etanol (-9,04%). 

Apesar da deflação média dos transportes, as passagens aéreas (13,30%) tiveram alta importante em abril e foram uma das principais pressões inflacionárias do mês.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas