Requalificação urbana de lagoa no Cabula deve durar 3 meses e custar R$ 1 milhão

salvador
21.09.2021, 12:00:00
Atualizado: 21.09.2021, 13:29:37
(Bruno Concha/Secom PMS)

Requalificação urbana de lagoa no Cabula deve durar 3 meses e custar R$ 1 milhão

Projeto foi construído em conjunto com a comunidade do Amazonas de Baixo

A região da Lagoa da Timbalada, na comunidade Amazonas de Baixo, no Cabula, passará por obras de requalificação para melhorar o espaço para a população e também promover uma maior valorização ambiental. A ordem de serviço autorizando o início das intervenções foi assinada nesta terça-feira (21) pelo prefeito Bruno Reis. O investimento será de R$ 1 milhão e as obras devem durar três meses.

O prefeito destacou que a comunidade sempre sonhou com uma obra no local e diz que o projeto foi todo pensando e construído com ajuda dos moradores. “Essa é a terceira lagoa que estamos fazendo urbanização, depois da do Arraial do Retiro e a dos Dinossauros, no Stiep. Aqui é uma obra que toca o coração das pessoas, porque faz parte do dia a dia delas”, ressaltou.

Além de Bruno, também estiveram presentes na ocasião o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), Luiz Carlos de Souza, e da presidente da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF), Tânia Scofield.

Melhorias
O projeto será realizado em 661 m² de área e envolve a recuperação da Rua da Lagoa – que será uma via compartilhada com nova pavimentação em piso intertravado – e construção de praça. A obra está prevista para ser concluída em três meses e será executada sob a supervisão da Seinfra, através da Superintendência de Obras Públicas (Sucop).

O local vai passar a ter um parque infantil, deck e quiosque. O projeto, elaborado pela FMLF com ajuda dos moradores, também inclui obras de drenagem, instalação de mobiliários urbanos como mesinhas para jogos, paraciclo e lixeiras.

O paisagismo ao redor da lagoa também será reforçado com a plantação de mudas de árvores, arbustos e gramado. Os passeios oferecerão mobilidade adequada para deslocamento de deficientes visuais e pessoas com dificuldade de locomoção.

Zona Especial de Interesse
A comunidade do Amazonas de Baixo faz parte de uma Zona Especial de Interesse Social (Zeis), o que torna a obra ainda mais relevante, diz a prefeitura.

Os moradores celebraram a novidade. "Quando chovia era um desespero, pois a água cobria tudo, não havia drenagem. Inclusive, precisamos fazer um improviso que não adiantou muito, pois o alagamento era certo. Ainda tinha o lixo acumulando aqui. Com essa nova obra, esperamos uma grande melhora. É um local bonito, onde as famílias da comunidade tomam banho, pescam e fazem o lazer do fim de semana. Agora, com a reforma, o local será mais valorizado”, acredita o pedreiro João Vitor Silva, 30 anos, que mora há 20 na região.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas