Roger comemora sucesso dos três volantes em triunfo do Bahia

e.c. bahia
07.09.2019, 13:49:16
Atualizado: 07.09.2019, 14:09:35
Volante tricolor, Ronaldo marca Rossi em São Januário (Rafael Ribeiro / Vasco)

Roger comemora sucesso dos três volantes em triunfo do Bahia

Técnico diz respeitar torcedor, mas que confia em suas convicções

O técnico Roger Machado mostrou satisfação pela estratégia de jogo do Bahia ter funcionado tão bem no triunfo por 2x0 sobre o Vasco da Gama, em São Jaunário, na manhã deste sábado (7), pela 18ª rodada da Série A.

O comandante tricolor apostou novamente num esquema com três volantes, formado por Gregore, Ronaldo e Flávio. Quem perdeu a vaga em relação ao triunfo por 1x0 sobre o CSA, no último sábado (31), foi o meia Guerra.

Roger explicou que o fato de tirar um meia-armador para escalar um terceiro volante não significa que a equipe perca opções de ataque: "Eu sempre digo que não me importo com a posição de origem do jogador, o que ele tem é uma função em campo".

"Não importa o número de volantes, se três ou dois. O que importa é a função do jogador em campo e a capacidade da equipe como um todo de organizar as jogadas de ataque para muitas vezes não precisar de um articulador pelo meio", completou.

O comandante tricolor destacou que monta o seu esquema pensando sempre no adversário: "Depende da estratégia da gente. Foi um jogo fora de casa e a gente sabia que o Vasco ia pressionar. Respeito muito o torcedor e os comentaristas esportivos, mas em momento nenhum vou fazer algo diferentemente das minhas convicções".

"Eu vivo no futebol há 30 anos, primeiro como jogador e agora como técnico. Então acho que a minha capacidade de fazer a leitura do jogo é maior do que a do torcedor ou dos comentaristas. Felizmente nossa estratégia funcionou, mas tem dia que não vai funcionar", disse Roger Machado.

Nino Paraíba
O comandante não poupou os elogios a Nino Paraíba. Ao abrir o placar contra o Vasco, o lateral direito marcou o seu primeiro gol na Série A deste ano. Ele é o maior assistente da equipe na competição, com três passes para gol.

"Nino tá bem, mesmo. Ele conseguiu entender o que era importante para a sua função. Durante muito tempo ele atuou como uma válvula de escape para as equipes em que jogou por conta da velocidade que tem. Hoje, equilibra mais as jogadas defensivas e ofensivas e assim tornou-se um atleta muito mais completo', afirmou.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas