Rota para pets em lugares que antes eram só de humanos

salvador
29.03.2022, 18:55:00
Praça Ana Lúcia Magalhães (Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Rota para pets em lugares que antes eram só de humanos

Espaços privados e também públicos são exemplos de boa convivência entre humanos e animais

Uma pessoa entra numa loja ou num restaurante e encontra potinhos com água e cantinhos destinados para as necessidades de cães e gatos. Ela pode até estranhar, mas uma coisa terá certeza: a bicharada está invadindo todos os espaços humanos. Isso porque muitos lugares hoje são referências em aceitar animais, o que favorece o convívio e bem-estar entre humanos e os bichos. Espaços privados e também públicos, como a Praça Ana Lúcia Magalhães, são exemplos mais comuns nos dias atuais. 

O carinho com os pets faz com que os donos queiram estar com eles o tempo todo, inclusive na sua rotina fora de casa. Diante dessa necessidade, surgiu a onda pet friendly - a expressão pode ser traduzida ao pé da letra como “amigo dos animais” e é utilizada para identificar espaços onde eles são bem-vindos. 

“Antigamente, as pessoas tinham três filhos e um cachorro. Hoje, são três cachorros e um filho, é o meu caso. É o que chamamos de família multi-espécie. Você tem um filho canino, um filho humano, um coelho... É a nova realidade”, declarou Ana Paula Canavarro, empresária do ramo pet.

Durante a semana, ela costuma fazer programas para toda a família, não abrindo mão de lugares que aceitem todos eles. A reportagem ouviu também outros amantes de pets e preparou um roteiro semanal onde eles são muito bem-vindos. 

Nada como começar o primeiro dia da semana numa caminhada sob a brisa do mar, no gramado do Praia de Jardim de Alah. Dá até pra ir antes do trabalho. Lá tem área ampla para todos esticarem bem as pernas e as patas. Na terça-feira, o passeio pode ser na Praça Ana Lúcia Magalhães, na Pituba, onde os bichps têm muito espaço para brincar e fazer novos amigos.

Nos finais de semana, por sua vez, o local fica cheio de cachorros e vale muito a pena, até mesmo para quem mora em bairros mais distantes, porque o ambiente recebe diversos eventos pets e feiras de adoção. Mas, atenção! Se eles não são habituados a outros cachorros e a crianças, melhor evitar os períodos de maior movimento, que são os fins de tarde e finais de semana.

Lugares que antes eram só de humanos (Foto: Paula Fróes/CORREIO)

Quarta-feira, o dia pede uma “cãominhada” em um dos bairros mais famosos de Salvador, a Barra. No entorno do Cristo, o animal tem uma área grande para correr, com bastante grama. Se o sol castigar, existem as sombras dos coqueirais. Mas, se isso não adiantar, tem a água do mar para refrescar.

Na quinta, a programação pede, para os mais radicais, uma boa trilha no Parque Metropolitano de Pituaçu. O local é propício porque todo o trecho é sombreado. E o melhor: não precisa pagar nada para entrar. 

O happy hour de sexta-feira, o famoso “sextou”, pode ser no Boteco do França, no Rio Vermelho, onde os bichinhos podem “participar” do papo na área externa. 

Já o sábado, é um bom dia para ir às compras e, para as mães de pet, um bom passeio é na Elementais da Graça, onde as clientes podem escolher o melhor look na companhia de seus cachorros. Tem até o local para prender as coleiras, além de potes de água. 

E, por fim, para fechar a semana, nada como uma tarde de domingo na Bravo Burger e Beer, onde os cães têm acesso livre às mesas da área externa - todas as unidades da hamburgueria aceitam pets de todos os portes e tamanhos

Onde você pode levar seu pet

Gramado de Jardim de Alah
Onde fica: Praia de Jardim de Alah
Quanto custa: Gratuito
Em que área da cidade fica: Região da orla
Melhor horário para visitar: Qualquer horário
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Praça Ana Lúcia Magalhães
Onde fica:  Rua Padre Manoel Barbosa, 444, Pituba
Quanto custa: Gratuito
Em que área da cidade fica: Região da Pituba
Melhor horário para visitar: Qualquer horário, com exceção para os pets não habituados a outros animais e a crianças. Evitar os períodos de maior movimento, que são os fins de tarde e finais de semana. 
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Cristo da Barra 
Onde fica: Barra 
Quanto custa: Gratuito
Em que área da cidade fica: Região da Barra 
Melhor horário para visitar: Qualquer horário 
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Parque Metropolitano de Pituaçu
Onde fica: Pituaçu
Quanto custa: Gratuito
Em que área da cidade fica: Região de Pituaçu  
Melhor horário para visitar: Qualquer horário 
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Boteco do França 
Onde fica: Rua Borges dos Reis, 24 A, Rio Vermelho
Quanto custa: Espaço privado 
Em que área da cidade fica: Região do Rio Vermelho  
Melhor horário para visitar: Durante todo o horário de funcionamento, a partir das 12h
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Elementais 
Onde fica: Rua da Paz, 9, Graça 
Quanto custa: Espaço privado 
Em que área da cidade fica: Região da Graça   
Melhor horário para visitar: Durante todo o horário de funcionamento - segunda a sexta, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 12h. 
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

Bravo Burger e Beer
Onde fica: Pituba, Alpha Ville, Barra e Horto Florestal
Quanto custa: Espaço privado 
Em que área da cidade fica: Pituba, Alpha Ville, Barra e Horto Florestal
Melhor horário para visitar: Durante todo o horário de funcionamento - segunda a quinta, das 17h às 22h, e de sexta a domingo, das 18h às 0h. 
Quanto tempo precisa para visitar: Livre

O Aniversário de Salvador é um projeto do Jornal Correio com patrocínio do Hospital Cárdio Pulmonar, Wilson Sons, Salvador Bahia Airport e Unifacs, apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador, FIEB e Sebrae, apoio de Suzano, Abaeté Aviação, Sotero, Shopping Center Lapa, Jotagê, AJL, Comdados.

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas