Rui teme 'maior onda de casos' da covid e diz que volta às aulas está adiada

coronavírus
03.12.2020, 12:07:00
Atualizado: 03.12.2020, 12:32:08
(Wendel de Novais/CORREIO)

Rui teme 'maior onda de casos' da covid e diz que volta às aulas está adiada

Governador afirmou que retorno seria por agora, mas não tem como acontecer de modo seguro

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Bahia ainda não vive uma segunda onda, mas o ritmo crescente de casos de covid-19 preocupa e o pior momento da pandemia pode está por vir, na avaliação do governador Rui Costa. "O volume ainda não nos permite afirmar que temos uma segunda onda, mas o ritmo nos permite afirmar que, daqui a uma ou duas semanas ou nos próximos dez dias, se continuar nesse ritmo, podemos viver não só a segunda onda como a maior onda de casos que a Bahia viveu desde o início da pandemia", disse Rui, durante evento no CAB para entrega de novas viaturas

A fala contraria o que disse mais cedo o secretário da Saúde, Fábio Villas-Boas. "Nós já estamos completando três semanas sucessivas de crescimento progressivo e contínuo do número de casos. Portanto, é possível falar que já estamos entrando numa segunda onda, que vem num cenário mais grave do que o que enfrentamos o início da pandemia", disse ele à TV Bahia.

Por conta desse momento de aumento nos casos, a volta as aulas voltou a ser descartada, explicou Rui. "Nossa intenção era começar as aulas agora, mas por conta do crescimento da doença, nós tivemos que adiar esse retorno. Não dá pra pensar numa volta segura como queremos fazer desde o início com esse número tão grande de novos casos", diz.

Apesar disso, o governador descarta nesse momento a volta de restrições ao transporte intermunicipal, como ocorreu no início da pandemia. "As medidas de restrição não devem acontecer no transporte, estamos em um momento diferente. Quando ocorreu, era com a intenção de impedir que a doença chegasse às cidades que estavam sem registro. Hoje, acredito que 100% das cidades têm casos. Então, essa atitude serviria apenas para trazer prejuízo econômico e dificultar a locomoção de quem necessita do transporte municipal", considerou.

Ele falou em "restrição no convívio social" caso a situação piore, sem detalhar que medidas exatas poderiam ser tomadas. "O que pode ser feito, se a situação se agravar, é a restrição no convívio social no geral, que não está descartado porque não podemos permitir que o cenário se amplie de uma forma que não tenhamos leito para receber as pessoas contaminadas"

O governador comentou também a compra de refrigeradores para a futura campanha de vacinação, já que a maior parte dos imunizantes em desenvolvimento precisa desse tipo de armazenamento. "Nós estamos adquirindo refrigeradores que não são de uma finalidade exclusiva. Há hoje na Bahia outros medicamentos que necessitam de refrigeração. A compra dos refrigeradores vem pra reforçar uma estrutura que já existe e, claro, para dar capilaridade a um processo de vacinação da população baiana com vacinas que precisam estar refrigeradas abaixo dos -70°", diz. 

Prefeitura e governo continuam trabalhando juntos no combate à covid. "Há sim um diálogo, os secretários de saúde do Governo e da Prefeitura continuam fazendo reuniões para seguir no combate a pandemia, nós temos conversado por telefone. A preocupação agora é reabrir os leitos em conjunto para que se consiga lidar com esse crescimento de casos. A prefeitura já iniciou esse processo abertura de leitos. Nós também abriremos para compensar a ausência do hospital da Fonte Nova e vamos abrir leitos no Hospital Espanhol e também no Couto Maia", explicou.

Fim de ano
Com a chegada do final do ano, a possibilidade de festas e aglomerações aumenta. O governador afirmou que fará um "monitoramento rigoroso" até nas redes sociais para flagrar estabelecimentos que façam festas nesse período. "Não será permitida nenhuma festa de final de ano em dezembro. Vamos fazer um monitoramento rigoroso inclusive em redes sociais para que qualquer estabelecimento que esteja fazendo festa seja fiscalizado e até interditado pela polícia se desrespeitar as regras e fazer festas no Réveillon. Isso não será permitido e a polícia atuará preventivamente", alertou.

Ele disse que a "vida humana é mais importante que o faturamento da festa". "É melhor ficar sem as festas do fim de ano do que ficar sem emprego, já que uma maior contaminação por causa disso pode ocorrer restrições no comércio e em estabelecimentos. Para os baianos, eu digo que não comprem ingresso de festa porque vai perder o dinheiro e a festa não vai acontecer", diz.

O monitoramento já está sendo feito para tentar verificar a organização de possíveis festas.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas