Rússia deve iniciar vacinação em massa contra covid-19 em outubro

coronavírus
01.08.2020, 17:20:53
Atualizado: 01.08.2020, 17:32:02
(Foto: Yuri Kadobnov/AFP)

Rússia deve iniciar vacinação em massa contra covid-19 em outubro

Falta de transparência em testes gera desconfiança na comunidade científica

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Rússia planeja iniciar daqui a dois meses uma vacinação em massa contra a covid-19 para a população. O plano foi anunciado neste sábado (1.º) pelo ministro da Saúde russo, Mikhail Murashko, segundo agências de notícias internacionais. Ele indicou que a ideia é vacinar primeiro profissionais de saúde e professores.

No início da semana, autoridades locais indicaram que uma vacina russa, em desenvolvimento pelo Instituto Gamaleya, de Moscou, deveria ser registrada até meados de agosto, permitindo a vacinação de forma mais abrangente.

Segundo Murashko, a vacina, que utiliza como base o adenovírus, já completou os testes clínicos e a documentação para seu registro já está sendo preparada.

Parte da mídia internacional e da comunidade científica vem criticando a rapidez do processo de aprovação da vacina, e questiona se o governo russo está colocando o prestígio internacional acima da ciência e da segurança da população.

O chefe do Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF), Kirill Dmitriev, comparou o sucesso da Rússia no desenvolvimento de uma vacina ao lançamento do Sputnik 1, primeiro satélite artificial do mundo, pela União Soviética em 1957.

Segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins, a Rússia registrou até agora 843 mil casos de infecção pelo novo coronavírus e 14 mil mortos, sendo o país com o quarto maior número de infectados e na 11ª colocação na lista das nações com o maior número de mortos.

Em todo o mundo, a universidade computa um total de 17,62 milhões de casos de covid-19, dos quais 4,56 milhões nos EUA, o país com o maior número de infectados, seguido pelo Brasil, com 2,66 milhões, e pela Índia, com 1,69 milhão. O número de mortes totaliza 680,5 mil, sendo 153,39 mil registradas nos EUA, 92,47 mil no Brasil e 46,68 mil no México. Com informações do portal Terra.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas