Saiba por que os degraus da estação da Lapa estão coloridos

salvador
21.05.2018, 18:26:00
Atualizado: 21.05.2018, 20:40:14
(Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

Saiba por que os degraus da estação da Lapa estão coloridos

Curiosos foram atraídos por ação que marcou o Dia Internacional de Combate a LGBTfobia

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Bastou parar na frente da escadaria da estação da Lapa para perceber os olhares curiosos e as caras de interrogação. “Desculpa perguntar, mas foram vocês que fizeram esse memorial?”, questionou um rapaz à equipe do CORREIO, apontando para a escada recém-pintada com as cores do arco-íris e para os arranjos de flores perto do primeiro degrau.

Ao descobrir que se tratava de uma ação do Grupo Gay da Bahia (GGB) para marcar o Dia Internacional de Combate à LGBTfobia, o atendente Edson Souza, 25 anos, questionou: “E é hoje? Não é comemorado dia 17, menina?”. Exatamente: os 30 degraus coloridos celebram o dia 17 de maio e a ação chamada Tire o Preconceito do Caminho que Vamos Passar segue até o dia 21 de junho, em homenagem às cores-símbolo da luta LGBT por igualdade, respeito à diversidade e cidadania.

Com o semblante surpreso, Edson aprovou a ação na estação por onde transitam cerca de 800 mil pessoas diariamente. “Amei! Aqui é o lugar por onde passa toda a Salvador e o preconceito é o que a gente mais vive hoje. Por que eu aprovo? Porque sou isso, né gata?”, gargalhou o atendente com a mão na cintura. “O preconceito tem que acabar. Já sofri muito, mas hoje nem ligo. Pago minhas contas, né? Oxe, me deixe”, finalizou, orgulhoso.

Logo depois, uma jovem que não quis se identificar perguntou: “Isso é o que eu tô pensando que é?”. Diante da resposta positiva, ela acrescentou animada: “Logo vi! Tem gente que vai se impactar, gente que vai achar absurdo, mas achei massa!”, aprovou a garota que todo dia sai do Garcia até a estação da Lapa para cuidar dos oito cachorros e 45 gatos que moram com a mãe no Pau Miúdo. “Lá no apartamento não tem espaço e meu marido não gosta”, justificou rindo.

Então, logo entregou que muitas amigas suas vão gostar da novidade na estação da Lapa, principalmente uma que era evangélica e decidiu sair da Igreja porque não estava feliz em esconder sua preferência por mulheres.

“Ela não quis mais se esconder, mas ainda tem muita gente infeliz que fica se reprimindo. São todos seres humanos e temos que ter respeito”, defendeu.

Curiosa com o novo cenário, a professora aposentada Valdete Aguiar, 73, chegou de mansinho para entender o que estava acontecendo. “Estava aqui curiando e fiquei intrigada. O que é isso?”, perguntou, afinal passa na estação da Lapa cinco vezes na semana e era a primeira vez que via o subsolo tão colorido. “Achei ótimo! Sou contra o preconceito contra gays, idosos, pobres, negros... Tem que haver respeito às diferenças. Se todo mundo gostasse só do rosa, o que seria do azul e do amarelo?”, sorriu Valdete.

Esse foi justamente o mote da ação que aconteceu na tarde desta segunda-feira (21) e contou com presença de ativistas políticos e entidades governamentais. “Importante lembrar que as cores do arco-íris representam a diversidade de pessoas. A bandeira é muito mais do que LGBT”, destacou Millena Passos, que é coordenadora do GGB, diretora da União Nacional LGBT e assessora técnica da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM).

“A gente vive numa sociedade machista, sexista, lgbtfóbica e temos que começar a compreender a diversidade”, reforçou Millena.

O atendente Edson Souza, 25, aprovou a ação: "O preconceito tem que acabar. Já sofri muito, mas hoje nem ligo. Pago minhas contas, né? Oxe, me deixe", disse orgulhoso e inabalável
O atendente Edson Souza, 25, aprovou a ação: "O preconceito tem que acabar. Já sofri muito, mas hoje nem ligo. Pago minhas contas, né? Oxe, me deixe", disse orgulhoso e inabalável (Foto: Almiro Lopes/CORREIO)
"Acho interessante a iniciativa. Chama a atenção e faz você parar para pensar", aprovou a nutricionista Denise dos Anjos, 26, que estava passando pela Lapa com o marido, o ajudante de produção Railton dos Anjos, 28, e o pequeno Pedro, de um mês e me
"Acho interessante a iniciativa. Chama a atenção e faz você parar para pensar", aprovou a nutricionista Denise dos Anjos, 26, que estava passando pela Lapa com o marido, o ajudante de produção Railton dos Anjos, 28, e o pequeno Pedro, de um mês e me (Foto: Almiro Lopes/CORREIO)

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas