Salvador da fé: além de praias e Carnaval, capital aposta em turismo religioso

bahia
02.04.2019, 05:30:00
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Salvador da fé: além de praias e Carnaval, capital aposta em turismo religioso

Roteiros contam com visitação de igrejas, terreiros e marcos históricos; veja

Uma igreja em Salvador para cada dia do ano. A conta que praticamente virou lenda na Bahia e fora dela já era cantada no verso “365 igrejas a Bahia tem”, por Dorival Caymmi, em 1957, quando lançou o álbum Eu Vou Pra Maracangalha. De lá para cá, a contagem subiu e Salvador tem, pelo menos, 372 igrejas – católicas.  Já os terreiros de candomblé eram 1.296 há 12 anos, quando a Fundação Cultural Palmares fez um mapeamento na capital.

Ou seja, Salvador pode até ser vendida aos turistas como a cidade do Carnaval e um destino de praias. Mas vocação também não falta quando o assunto é turismo religioso. Na semana passada, por exemplo, um grupo de 90 gaúchos dedicou um dia inteiro visitando templos religiosos. Foram da Conceição da Praia ao Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, passando pela Igreja Nossa Senhora do Pilar e pela Paróquia Nossa Senhora dos Alagados e São João Paulo II.

Prova de que um roteiro religioso tem saída por aqui é que a fé é responsável por trazer, todos os anos, cerca de 5 milhões de pessoas à Bahia. O número representa 25% do total de visitantes que chegam ao estado todos os anos por diversos motivos, de acordo com a Secretaria de Turismo do Estado  (Setur).

O secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco, afirmou que o estado possui inúmeros atrativos turísticos, mas a religiosidade ajuda a ampliar a capacidade da cadeia turística. “O turismo movido pela fé também leva os visitantes a conhecerem outros atrativos, beneficiando o entorno do destino principal”, disse.

O potencial tem tudo para ser aproveitado também pela capital, inclusive na baixa estação: “Nossa cidade é estruturada sob bases históricas incríveis, voltadas para as religiões de matrizes africana e católica. A Secult, então, tem investido em infraestrutura e requalificações urbanísticas para atrair o turista que vem em busca da rota religiosa”.
 
Um dos visitantes que aproveitaram o que Salvador tem a oferecer foi o gaúcho Sidney Libardi, que visitou igrejas logo na primeira visita à cidade. De Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, Sidney se encantou com a Paróquia Nossa Senhora dos Alagados e São João Paulo II, no bairro do Uruguai. E olha que a igreja, construída na década de 1980, nem é dos templos seculares, que entram no roteiro de qualquer turista.

“Achei muito bonito ter um dia inteiro destinado ao turismo religioso. A cidade é, de modo geral, muito atrativa, muito encantadora. Mas eu gostei demais de visitar as igrejas, principalmente essa paróquia, porque temos acesso à cultura do bairro, à pobreza, como também existe onde eu moro”, disse, após uma visita semana passada.

Sidney Libardi veio de Caxias do Sul (RS) e se encantou pela Paróquia dos Alagados
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

A paróquia que chamou tanta atenção fica no bairro do Uruguai e foi construída em apenas três meses, como contou José Lima, o Zezito, 75 anos, membro da Pastoral do Turismo de Fé. “Foram muitos homens trabalhando 24 horas por dia e, em 7 de julho de 1980, a igreja foi inaugurada, com a bênção do papa João Paulo II”, explicou, lembrando a visita do pontífice, que já fez gente do mundo todo ir ao local.

Caminho da Fé
No ano passado, foi criado o Caminho da Fé - uma rota de um quilômetro ligando o Santuário de Irmã Dulce à Basílica do Bonfim. Os dois espaços estão entre os mais visitados por peregrinos em todo o país.

E mesmo que a rota ainda esteja em fase de implantação, segundo a Pastoral do Turismo de Fé (Pastur), o projeto já rendeu frutos: um crescimento de 7% no turismo religioso na capital, de acordo com a Setur. 

“Muitas cidades estão construindo atrativos em razão do turismo religioso. Nós já temos todos em Salvador. E olha que nem estamos falando do turismo cultural, em igrejas, que é o caso do Centro Histórico. Temos atrativos de pelo menos três ou quatro dias para o turista religioso”, explicou o padre Manoel Filho, coordenador da Pastur.

Após Caminho da Fé, turismo religioso cresceu 7%, de acordo com dados da Setur
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

O secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Cláudio Tinoco, afirmou que a cidade ainda não é reconhecida pelo turismo de fé, mas investimentos têm sido feitos. Um dos exemplos é a requalificação da Colina Sagrada e do Terreiro de Jesus, além do centro cultural do Gantois.

As intervenções já foram vistas pelo grupo de visitantes gaúchos, que enfrentaram até a chuva que cai na capital para subir a Colina Sagrada e amarrar a tradicional fitinha nas grades da Basílica.

“O que mais me comoveu foram os passeios relacionados à fé”, declarou a turista Ereniza Marque Antoniolli, também de Caxias do Sul (RS), que pretende voltar muitas vezes a Salvador.

Ereniza também veio de Caxias do Sul e cumpriu rota do turismo religioso em Salvador
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Quem também fez esse passeio foi a fluminense Ludmila Prevot, 28. “Rezei bastante, me emocionei, senti uma energia muito boa e aproveitei para amarrar duas fitas na grade e uma no braço, com aqueles três pedidos”.

Diversidade
Mas, assim como Salvador não é só praia e Carnaval, o turismo de fé na capital baiana também não se resume às igrejas católicas. Conhecida pelo sincretismo religioso e pela força das religiões de matriz africana, há quem venha conhecer os terreiros.

Mãe Carmen de Oxalá, ialorixá do Terreiro do Gantois, explicou que o sincretismo existe porque os negros não podiam cultuar os próprios orixás. No dia de Santa Bárbara, por exemplo, “os negros da senzala faziam o culto a Iansã”.

Em maio do ano passado, Terreiro do Gantois recebeu visita da princesa de Osogbó, a nigeriana Ìyá Adedoyin Talabi Faniyi
(Foto: Arisson Marinho/Arquivo CORREIO)

Quando esteve em Salvador, a carioca Bárbara Soares, 23, fez questão de conferir a Fogueira de Xangô, no Gantois: “Me recomendaram ir de roupa clara, de preferência na cor branca. Eu fui e me emocionei muito, desde a bênção que recebi de Mãe Carmen até o momento da fogueira acesa, com as danças e toda aquela tradição do povo negro e de santo”.

Já a baiana Ana Reis, 56, que nasceu e cresceu em Salvador, mas, atualmente, mora em Portugal, sempre vem participar das Águas de Oxalá, também no Gantois. “Janeiro é um mês especial para mim e eu, sempre que posso, volto para fazer parte do ritual em homenagem a Oxalá”, declarou.

No entanto, cada terreiro, seja de candomblé ou umbanda, tem festas e comemorações em datas específicas. Em dias festivos, costuma ser permitida a participação do público, mesmo de quem não faz parte do terreiro. Além de respeitas as tradições, as pessoas não devem fazer imagens dos rituais e cerimônias, além de sempre optar por roupas de cores claras.

Das ruas de Salvador, a cultura africana e os orixás fazem parte, hoje, da vida de muitas pessoas, seja através do culto, da fé, de leituras, músicas. Segundo Guaraci M. Santos, Sacerdote no Candomblé e mestre em Ciências da Religião, a festa, para o Candomblé, é o momento de interrelação entre os mundos físico e espiritual.

“Em resumo, é a consagração de uma mensagem de agradecimento a Nzambi (Deus) pela vida cotidiana de fé e de amor, na esperança de dias melhores”, disse Guaraci

Trade turístico defende preparo técnico
Apesar do potencial inegável para o turismo religioso, Salvador ainda não explora sua capacidade ao máximo. É o que afirma o presidente do Salvador Destination, Roberto Duran. “O Caminho da Fé, de peregrinação, foi criado como uma forma de se desenvolver, de forma técnica, um turismo religioso de grande volume. É a primeira vez que se concebe, em Salvador, uma possibilidade de se desenvolver esse ramo. Em vários destinos do mundo é uma forma gigantesca, que tem fidelidade enorme e com grandes volumes de turistas. Nós ainda não conseguimos explorar essa área”, afirmou.

A criação do Caminho da Fé foi uma sugestão do trade turístico, inclusive. “Essa opção vem se desenvolvendo, como nós pensamos que iria acontecer, e agora temos que pensar em outros locais para prepará-los tecnicamente”, disse Duran.

A ideia do turismo religioso é motivar que pessoas venham para Salvador justamente para visitar atrativos que estejam no hall da religião - e não somente que, enquanto estiverem aqui, passem nas igrejas, por exemplo: “A proposta é atrair esse segmento de pessoas que se programam para fazer devoção em algum santuário, que é o que acontece em outros lugares”.

O presidente da Salvador Destination ainda afirmou que, além da religião católica - que é o caso do Caminho da Fé -, Salvador também  pode desenvolver seu potencial com as de matriz africana e as judaicas. “Temos os seculares e históricos terreiros, também temos grandes pontos de sinagogas e de simbologia forte da cultura judaica”, defendeu.

Prefeitura apoia todas as manifestações
O secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Cláudio Tinoco, ressaltou que o município mantém diálogo aberto com as diversas manifestações religiosas, na medida em que é parceiro da Arquidiocese de Salvador - uma vez que investiu no Palácio da Fé -, das religiões de matriz africana - o que gerou, por exemplo, a inauguração do Centro de Referência do Gantois - e das igrejas evangélicas - a prefeitura criou a Praça da Bíblia.

“É importante lembrar que o Estado é laico e a gente  apoia toda e qualquer manifestação religiosa”, disse Tinoco.

Os gaúchos que fizeram  uma rota religiosa destacaram a questão cultural, além da espiritual. “Sejam igrejas, terreiros de candomblé, bairros históricos, nossa viagem tem como objetivo a cultura”, disse Susana Rocha, 74 anos.

Grupo de 90 gaúchos dedicou um dia a conhecer igrejas em Salvador; uma delas foi a Paróquia dos Alagados, abençoada pelo papa João Paulo II
(Foto: Marina Silva/CORREIO)

Veja dicas de terreiros e igrejas para visitar:

BOCA DO RIO:
- Ilê Odô Ogê (Terreiro do Pilão de Prata) - 
Estrada do Curralinho, 298 - Tel: (71) 3341-9055

BONFIM:
- Santuário da Bem-Aventurada Dulce dos Pobres - 
Avenida Dendezeiros do Bonfim, 161 - Tel: (71) 3310-1100
- Basílica Santuário Senhor do Bonfim - Praça Sr. do Bonfim, s/n - Tel: (71) 3316-2196

CARMO:
- Igreja da Ordem Terceira do Carmo -
Rua do Carmo, 1
- Igreja do Santíssimo Sacramento do Passo - Rua do Passo, 52A - Tel: (71) 3241-6297

COMÉRCIO:
Igreja da Ajuda - Rua do Tesouro, 62 - Tel: (71) 3322-3296
- Basílica de Nossa Senhora da Conceição da Praia - Rua da Conceição da Praia, s/n - Tel: (71) 3038-6250/3038-6254

CURUZU:
- Terreiro Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe -
Rua Direta do Curuzu, 222
- Ilê Axé Jitolú (Ilê Aiyê) - Rua Direta do Curuzu, 228 - Tel: (71) 2103-3400

ENGENHO VELHO DA FEDERAÇÃO:
Ilê Axé Iyá Nassô Oká (Terreiro da Casa Branca) - Avenida Vasco da Gama, 463 - Tel: (71) 3335-3100

FEDERAÇÃO:
- Ilê Iyá Omi Axé Iyamassê (Terreiro do Gantois) -
Rua Mãe Menininha do Gantois, 23 - Tel: (71) 3331-9231
- Ilé Òsùmàrè Aràká Àse Ògòdó (Casa de Oxumarê) - Avenida Vasco da Gama, 343 - Tel: (71) 3237-2859 / 3331-0922

LAURO DE FREITAS (RMS)
- Ilê Axé Opô Aganjú -
Rua Sakete, 32, Alto da Vila Praiana - Tel: (71) 3378-2972

MATA ESCURA:
- Mansu Bandu Kenkê (Terreiro do Bate Folha) -
Avenida Dionísio Brito Santana, s/n - Tel: (71) 3306-2163

MATATU:
- Ilê Maroiá Láji (Terreiro de Alaketu ou Olga de Alaketu) -
Rua Luis Anselmo, Beco do Alaketu, 13 - Tel: (71) 3381-6298

PELOURINHO:
- Igreja e Convento de São Francisco -
Largo do Cruzeiro de São Francisco, s/n - Tel: (71) 3321-6968
- Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos - Largo do Pelourinho, 25 - Tel: (71) 3421-5781
- Catedral Basílica de Salvador - Terreiro de Jesus - Tel: (71) 3321-4573
- Venerável Ordem Terceira São Domingos Gusmão - Terreiro de Jesus - Tel: (71) 3242-4185

SÃO GONÇALO DO RETIRO:
- Ilê Axé Opó Afonjá - 
Rua Direta de São Gonçalo, 557 - Tel: (71) 3384-5229 - o espaço foi fechado após a morte da Ialorixá Mãe Stella de Oxóssi, em dezembro de 2018, e será reaberto no período de um ano.

TROBOGY:
Onzo Nguzo za Nkisi Dandalunda ye Tempo (Terreiro Mokambo)
- Rua Heide Carneiro, 89 - Tel: (71) 3360-6668

URUGUAI:
- Igreja de Nossa Senhora dos Alagados e São João Paulo II -
Rua Luiz Régis Pacheco, 1618 - Tel: (71) 3314-5087

*Com supervisão do chefe de reportagem Jorge Gauthier


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/stf-retoma-julgamento-sobre-possibilidade-de-prisao-apos-2a-instancia-veja/
Debate sobre a legalidade da medida deverá, mais uma vez, provocar um racha no plenário
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/trailer-final-de-star-wars-a-ascensao-skywalker-e-divulgado/
Imperador Palpatine retorna com destaque maior que nos outros trailers
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-retirada-de-oleo-praias-de-morro-de-sao-paulo-tem-acesso-liberado/
Garapuá e Boipeba também foram limpas, mas banho de mar ainda não é recomendado
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/senhora-eduardo-bolsonaro-vira-meme-apos-correr-de-jornalistas-veja-video/
Novo líder do PSL na Câmara fez aparição surpresa na Câmara
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/torcedores-do-olympiacos-invadem-campo-e-agridem-fas-do-bayern/
Confusão aconteceu na partida dos times sub-19, antes do duelo da Liga dos Campeões
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/explosao-em-quintal-matou-ate-as-baratas-da-vizinha-nao-tem-mais-acabou/
Vídeo de caminhoneiro destruindo 'ninho' de insetos no Paraná viralizou; assista
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/mais-de-15-tonelada-de-oleo-ja-foi-retirada-de-duas-praias-de-morro-de-sao-paulo/
Banho na Segunda e Terceira praias está suspenso; vídeo mostra óleo em Garapuá
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/motorista-infarta-perde-controle-e-bate-onibus-em-loja-na-heitor-dias/
‘Estou passando mal, vou infartar’, disse motorista antes de perder controle de ônibus. Ele foi socorrido pra hospital
Ler Mais