Salvador teve 746 denúncias de poluição sonora e 9 aglomerações no fim de semana

salvador
24.05.2021, 14:56:00
(Foto: Divulgação/SSP)

Salvador teve 746 denúncias de poluição sonora e 9 aglomerações no fim de semana

Saiba os locais fiscalizados e os bairros com maior incidência de ocorrências

Em mais um final de semana, as aglomerações marcaram presença em Salvador, em plena pandemia. De acordo com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), foram nove aglomerações dispersadas na cidade e 746 denúncias de poluição sonora, com 27 equipamentos de som apreendidos.

De 21 a 23 de maio, a Força-Tarefa da Sedur, que fiscaliza o cumprimento das medidas restritivas em Salvador, dispersou nove aglomerações. Uma delas aconteceu em um bar na Praia do Flamengo, outra em um posto de combustível em Stella Maris e sete delas em ruas dos seguintes bairros: 2- São Cristóvão/1- Barra/ 1- Garcia/1- Cabula VI/1- Mata Escura/1- Lobato. 

A operação realizou 4.529, em 80 bairros diferentes. Três bares foram interditados: um na Barra, um no Garcia e outro na Ribeira. 

Já a Operação Sílere recebeu 746 denúncias de uso indevido de equipamentos sonoros e realizou 126 vistorias em 86 bairros diferentes. Os locais mais denunciados foram: São Marcos, Liberdade, Paripe e Fazenda Grande do Retiro.

Os 27 equipamentos de som foram apreendidos no Cabula, Mata Escura, Imbuí, Canabrava, Boa Vista do Lobato e Lobato.  

Mais de 1,3 mil festas e paredões como esse foram encerradas em apenas três meses no território baiano pela Polícia Militar da Bahia (PM-BA). De 19 de fevereiro até 15 de maio, foram exatamente 1.329 eventos desse tipo finalizados, de acordo com dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-BA).

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas