Se quer que eu te encontre, me conte: o que há diante da sua janela?

kátia borges
04.05.2019, 05:00:00

Se quer que eu te encontre, me conte: o que há diante da sua janela?

Quando eu frequentava os sebos no centro da cidade, meus autores prediletos eram todos ilustres desconhecidos. Seus livros me ganhavam pelas capas e pelos títulos. Assim descobri tanta gente importante, sem uma lista do que seria essencial, por ser cânone, guiada pela mais santa e absoluta ignorância. Gostava de folhear as páginas distraidamente, à cata de um trecho inteiro ou de uma frase capazes de acender belezas por dentro. Foi assim que cheguei a Morangos Mofados.

Lembro bem do impacto daqueles contos e de como o meu livrinho surrado viajava no ônibus noite alta, e era lido por meus amigos bêbados e santos aos berros na Estação da Lapa. Havia, por certo, um diretor existencialista filmando tudo aquilo. Morangos Mofados, confesso, acabou me levando a textos mais pesados. ATeus Pés, por exemplo. Nem sei dizer quanto gosto desse título. E de Ledusha, Risco no Disco. E dos poemas de Leminski, Distraídos Venceremos.

Não, não sinto saudade, nostalgia ou coisa assim. Definitivamente. Se penso nas mostras de Fassbinder no Instituto Goethe é só de alegria o que me vem. Os balaios de livros para doação no pátio, onde achei fácil um pequeno romance em alemão escrito por Max Brod, o amigo de Kafka, e levei. É muito baiano esse jeito que a gente tem de gostar dos outros, já reparando com gosto naquilo que gostam também.

Digo isso pensando naquela letra de Tradição, de Gilberto Gil, e em como o poeta repara com simpatia escancarada, quase amor, no namorado inteligente da moça do Barbalho, aquela que era do barulho. Porque meus amores foram crescendo desse mesmo modo, todos juntos e em torno da mesma fogueira. Como um livro leva a um outro, e os autores conversam dentro dos poemas entre os séculos.

Clarice Lispector (sim, ela de novo, e para todo o sempre, amém) faz crer que ser tolo pode ter por trás uma arte, ensina a duvidar das coisas sólidas, sisudas, arrogantes. Talvez dê certo comigo, porque cultivo desde a infância uma percepção analógica que se orienta pelas árvores. Se quer que eu te encontre, me conte: o que há diante da sua janela? Poesia, e amor, é mais Cacaso. Vive-se, pega-se no laço. Caso contrário vira burocracia, uma edição por ano, nome em compêndio, chá na academia.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/girassol-whindersson-nunes-e-priscilla-alcantara-lancam-musica/
A música já está disponível em plataformas digitais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/carolina-ferraz-diz-que-nao-vai-mais-atuar-em-novelas/
Ela diz que vai continuar atuando em filmes e minisséries
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ufrb-aluno-diz-que-recusou-prova-de-professora-negra-por-questao-de-energia/
Vídeo mostra Danilo com mala e sacola conversando com delegado e professor na Rodoviária de Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/meu-deus-do-ceu-mataram-morador-gravou-morte-de-suspeito-de-assalto/
Comparsa foi agredido; população evitou roubo de carro na Ribeira
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/vencedor-do-festival-de-berlim-synonymes-estreia-em-salvador/
Longa-metragem narra história de um soldado israelense que foge para Paris
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/suspense-em-familia-a-moda-de-agatha-christie/
Com três indicações ao Globo de Ouro, Entre Facas e Segredos revive o velho e bom clima de “quem matou?”
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-acusado-de-racismo-tentou-usar-cota-para-entrar-na-ufrb/
Ele teve o pedido negado, mas tentou recurso para conseguir vaga
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/estudante-e-hostilizado-em-residencia-vamos-ver-com-quantos-paus-se-mata-um-racista/
Caso ocorreu na residência universitária onde morava o estudante que se recusou a receber prova de professora negra
Ler Mais