Seguranças amordaçam, chicoteiam e filmam adolescente por furto de chocolate

brasil
03.09.2019, 20:25:00
Atualizado: 03.09.2019, 20:32:04
(Reprodução/Globo)

Seguranças amordaçam, chicoteiam e filmam adolescente por furto de chocolate

Os dois foram identificados pela polícia; vídeo com cena de tortura circula online

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Um crime de tortura contra um adolescente de 17 anos está sendo investigado pela Polícia Civil de São Paulo. Ele foi detido em um supermercado por dois seguranças, que o amordaçaram nu e agrediram usando um chicote feito com fios elétricos. Um inquérito foi instaurado na segunda-feira (2). A informação é do Buzzfeed News.

A cena foi gravada e o vídeo foi divulgado em redes sociais. Morador de rua e dependente químico, o adolescente é conhecido na região do mercado, na Vila Joaniza, e costuma circular juntando latas e pedindo ajuda e comida. O delegado do caso, Pedro Luiz de Souza, o conhece.

O vídeo mostra o rapaz nu, com uma mordaça na boca, dentro de uma sala. Ele chora enquanto recebe chicotadas. Um dos agressores afirma que aquilo está acontece "para não ter de te matar". O adolescente tentou pegar quatro barras de chocolate e os seguranças resolveram "dar um castigo" nele. São cerca de 40 minutos de surra.

"Fui pegar o chocolate, aí eles me pegaram, me levaram ali no quartinho, me deram uma 'pá' de chicotada. Aí ele falou que, se eu falar para alguém, ele ainda vai me matar", diz o rapaz à TV Globo. "Quero justiça contra isso. Eles fizeram maldade. Quero pôr eles dentro das grades"

Ao BuzzFeed, o delegado afirmou que o adolescente é "totalmente inofensivo" e que os seguranças fizeram "uma barbaridade" com ele.  "É uma barbaridade. Um ato covarde de tamanha brutalidade contra um garoto, indefeso, nu. O que esse garoto pode ter pego lá (no mercado) que pudesse resultar nisso? Nada justifica", diz.

O adolescente contou que não se lembra do dia em que o fato ocorreu, mas conseguiu identificar os dois agressores pelo sobrenome. 

O supermercado Ricoy informou que afastou os dois seguranças e que é contra esse tipo de comportamento. A Secretaria da Segurnaça Pública de São Paulo diz que os dois foram identificados com ajuda de câmeras de segurança e devem ser ouvidos em breve.

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) de São Paulo divulgou nota repudiando o episódio. Em nota, o órgão defendeu a apuração com rigor dos fatos e a adoção das providências legais cabíveis. "A SMDHC lamenta a ocorrência de todos os fatos que ferem a dignidade humana e demonstram a intolerância da nossa sociedade com pessoas que deveriam receber atendimento civilizatório e adequado", diz o texto.

De acordo com a lei, o crime de tortura é considerado hediondo e ocorre quando alguém é submetido, com emprego de violência ou grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental. A legislação prevê pena de 2 a 8 anos para esse crime.


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas