Sequestrador do ex-prefeito de Valença e mais dois fogem do presídio Salvador

salvador
19.09.2018, 11:18:00
Atualizado: 19.09.2018, 16:06:54

Sequestrador do ex-prefeito de Valença e mais dois fogem do presídio Salvador

Detentos escaparam por um matagal após conseguirem quebrar as grades da cela onde estavam

Três detentos do Presídio Salvador, localizado no Complexo Penitenciário da Mata Escura, em Salvador, fugiram na madrugada desta quarta-feira (19). Os presos foram identificados como Cleber dos Santos Freire, 40 anos, Gutemberg Santana de Oliveira e Tiago Silva Sampaio.

Cleber foi preso em abril deste ano pelo Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco) por envolvimento no sequestro do ex-prefeito de Valença e fundador das Lojas Guaibim, Ramiro José Campêlo de Queiroz.

Ele foi responsável por vigiar o empresário no cativeiro em Dias D'Ávila, na Região Metropolitana de Salvador.  A família do prefeito pagou resgate de mais de R$ 1 milhão para a libertação da vítima, sequestrada no dia 18 de janeiro. O refém só foi liberado no dia 12 de fevereiro.

O valor foi recuperado pela Polícia Civil baiana com outros quatro homens envolvidos no sequestro em uma operação realizada em Caçapava, no interior de São Paulo, na Quarta-feira de Cinzas (14). 

A fuga
De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização (Seap), Cleber estava preso na unidade desde 12 de junho deste ano. Já Gutemberg havia chegado na unidade em 4 de julho de 2018, por homicídio; e Tiago estava custodiado desde 21 de junho de 2017, por posse de arma de calibre restrito. A Seap não informou como os presos conseguiram fugir

Mas, segundo o Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado da Bahia (Sinspeb), os detentos escaparam do presídio após quebrar as grades da cela onde estavam.

Os criminosos arrancaram a grade do banheiro da cela antes de remover os tijolos de sustentação e acessar a parte superior. Na sequência, de acordo com o coordenador de organização da Sinspeb, Eliandro Oliveira, os três detentos fugiram por um matagal próximo da cadeia.

O coordenador lamentou a situação. Segundo ele, o sindicato vem denunciando a precarização do sistema prisional há muito tempo, principalmente quando se trata das cadeias mantidas pelo serviço público. As cobranças são por “reestruturação, reconstrução e aparelhamento das unidades. Caso não aconteça isso, não tem como lugar nenhum se manter”.

A fuga aconteceu na mesma unidade onde um detento morreu após a cama de concreto desabar em cima dele. “Uma reforma geral seria uma medida paliativa. As condições de infraestrutura do presídio está tão precária que o ideal seria reconstruir tudo”, afirmou Oliveira.

O Presídio Salvador possui 678 presos - a capacidade do espaço é para 538 detentos, o que significa um excedente de 130 a mais do que o suportado pelo presídio. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas