Sindicatos divergem, e funcionamento do comércio no feriado é indefinido

salvador
31.10.2019, 17:02:00
(Foto: Mauro Akin Nassor/Arquivo CORREIO)

Sindicatos divergem, e funcionamento do comércio no feriado é indefinido

Audiência no Ministério Público do Trabalho (MPT) na quarta-feira (30) não resolveu impasse

A novela envolvendo os sindicatos dos lojistas e dos comerciários não acaba. As duas categorias não chegaram a um entendimento, e o funcionamento das lojas e comércios de Salvador ainda é indefinido para o feriado de sábado (2), Dia de Finados. Outra reunião está marcada para a manhã dessa sexta-feira (1), na sede do Sindicato dos Lojistas (Sindlojas), no Comércio.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) realizou uma audiência na manhã de quarta-feira (30) para tentar chegar a um entendimento entre as partes e garantir o funcionamento do comércio no feriado. No entanto, como não houve acordo, o MPT marcou outra reunião para essa sexta-feira (1º).

De acordo com o presidente do Sindicato dos Comerciários de Salvador, Renato Ezequiel, durante a audiência, os representantes dos lojistas afirmaram que não poderiam pagar os retroativos equivalentes aos anos de 2018 e 2019, que, em média, já chegam a quase R$ 1 mil por trabalhador e pediu que os trabalhadores abrissem mão do valor.

“Tivemos uma reunião ontem (quarta) no MPT, e a única proposta que eles fizeram foi afirmar que não podem pagar os retroativos de 2018 para 2019. São cerca de 100 mil comerciários, é muito dinheiro. Essa proposta não interessa aos trabalhadores, à sociedade e nem ao sindicato. Caso eles não assinem a convenção coletiva, só poderão abrir as lojas as empresas que assinaram o acordo com o sindicato”, afirmou Renato.

Ele faz questão de lembrar que o Sindicato dos Comerciários já assinou os acordos com várias empresas do setor lojista, inclusive com lojas âncoras e com o setor de supermercados.

“Não podemos aceitar essa situação. O Sindilojas assinou convenções coletivas no ano passado e neste ano também, com mais de 50 sindicatos de comerciários na Bahia. Não pode tratar dessa forma os comerciários de Salvador”, completou.

No entanto, para Paulo Motta, presidente do Sindlojas, a orientação da categoria é para não funcionamento das lojas no sábado (2), porque, segundo ele, o Sindicato dos Comerciários impôs condições inviáveis suportadas pelo comércio.

“Não vai ter funcionamento, pois não houve negociação entre os sindicatos dos lojistas e o dos comerciários que viesse viabilizar a questão dos trabalhadores para o dia 2 de novembro. Como não tem convenção, não tem acordo, então o comércio lojista não abre nesse feriado”, pontuou Paulo.  

Apesar de anunciar que não terá funcionamento, Motta garantiu que a intenção do Sindlojas é preservar o emprego dos trabalhadores.

“Desde março que queremos negociar e não se avançou nada, nada que construísse uma realidade para os trabalhadores. Existe, por parte do Sindicato dos Comerciários, uma façanha para gerar receita para o sindicato, e não para o trabalhador. Há uma divisão muito séria em relação ao interesse do trabalhador e o interesse do sindicato”, apontou.  

* Com supervisão da chefe de reportagem Perla Ribeiro

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas