Sorte mais cara: jogos de azar puxam inflação de novembro em Salvador

salvador
06.12.2019, 11:32:34
Atualizado: 06.12.2019, 12:27:28

Sorte mais cara: jogos de azar puxam inflação de novembro em Salvador

Alta das apostas nas loterias no mês passado explicam elevação, diz IBGE

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Tentar ficar rico está mais difícil - e mais caro. Em Salvador, os jogos de azar tiveram a maior alta no mês de novembro e puxaram a inflação na capital, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Só neste item, a inflação chegou a 24,3%, depois que as apostas na loteria sofreram alta de 40% a 66% a partir do dia 10 de novembro. Só a Mega Sena subiu de R$ 3,50 para R$ 4,50 - aumento de 28%.

Os dados fazem parte do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro, medida oficial da inflação que, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), ficou em 0,23%. O resultado acelerou em relação ao índice de outubro (0,08%) e ficou bem acima do apurado em novembro de 2018 (-0,31%).

Apesar da aceleração, o IPCA de novembro na RMS ainda ficou bem abaixo da média nacional (0,51%). No mês, o índice foi maior no município de São Luís /MA (1,05%), na Região Metropolitana de Belém/PA (0,93%) e em Rio Branco/AC (0,72%). Por outro lado, as RMs de Rio de Janeiro/RJ (0,17%) e Recife/PE (0,14%) e a cidade de Aracaju/SE (0,14%) tiveram as menores inflações.

Com o resultado do mês, o IPCA na RM Salvador acumula alta de 2,64% de janeiro a novembro de 2019, acelerando pela quarta vez seguida, depois de ter ficado em 2,40% em outubro, mas ainda abaixo do acumulado no mesmo período em 2018 (3,45%). Continua também abaixo do verificado no país como um todo (3,12%).

A inflação da RMS também acelerou fortemente no acumulado nos 12 meses, indo a 3,22% em novembro, frente a 2,66% em outubro. Anda assim, está abaixo da média nacional (3,27%).

Onde subiu
Dos nove grupos de produtos e serviços que compõem o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), cinco tiveram altas na Região Metropolitana de Salvador, três tiveram deflação e só o grupo comunicação se manteve estável.

O maior aumento ficou com as despesas pessoais (1,53%), que também tiveram a maior contribuição para a inflação do mês, puxadas fortemente pelos jogos de azar (24,3%). Em seguida, aparece o grupo alimentação e bebidas (0,32%), que voltou a aumentar depois de três quedas consecutivas, com avanços tanto nos preços dos alimentos consumidos no próprio domicílio (0,27%), quanto fora de casa (0,42%).

Dentre os alimentos, as carnes em geral (3,20%) foram as que mais contribuíram para a alta da inflação de novembro, com destaque para a alcatra (4,81%) e a carne-seca e de sol (3,18%).

As despesas com habitação (0,27%) também foram importantes para a aceleração do IPCA na RM Salvador, com forte influência da energia elétrica (0,90%), que aumentou, em grande medida, por conta da mudança de bandeira tarifária de outubro para novembro.

Onde caiu
Os itens que mais contribuíram para controlar a inflação em novembro em Salvador foram transportes (-0,25%) e artigos de residência (-0,90%). Nos transportes, a principal influência veio dos combustíveis (-0,90%), com destaque para a gasolina (-0,76%) e o etanol (-2,00%), seguidos pelos automóveis novos (-0,77%).

Já nos itens de residência, houve quedas nos preços médios de mobiliário (-1,83%) e TV, som e informática (-2,79%).

Apesar do aumento nos preços de alimentos e bebidas, alguns itens tiveram deflação: batata-inglesa (-22,44%), tomate (-18,77%) e cebola (-9,26%).

INPC
Na Região Metropolitana de Salvador, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação das famílias com menores rendimentos, também acelerou em novembro, chegando a 0,21% - em outubro tinha sido de 0,10% e em novembro de 2018, -0,21%.

Mesmo com a aceleração em relação a outubro, o INPC de novembro na RMS também ficou bem abaixo da média nacional (0,54%).

Com o resultado do mês, o índice acumulado no ano de 2019, na RMS, acelerou para 2,58% (frente a 2,36% em outubro). Já no acumulado nos 12 meses encerrados em novembro, o INPC da RM Salvador está em 3,23%. Em ambos os casos, os acumulados estão abaixo da média nacional (3,22% e 3,37% respectivamente).

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas