Suécia supera a marca de 5 mil mortes em decorrência da covid-19

coronavírus
17.06.2020, 16:20:01
Atualizado: 17.06.2020, 16:22:13

Suécia supera a marca de 5 mil mortes em decorrência da covid-19

Nas últimas 24 horas, o país contabilizou 1.239 casos de infecção, chegando assim a 54.562 confirmações

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Suécia registrou nesta quarta-feira (17), mais 102 mortes por covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, com isso elevou o total para 5.041, de acordo com dados oficiais.

Nas últimas 24 horas, o país contabilizou 1.239 casos de infecção, chegando assim a 54.562 desde o início da pandemia.

Ainda segundo o balanço mais recente apresentado pelo governo, os números de pacientes internados e de mortos vêm caindo nos últimos dois meses, no entanto, seguem muito acima aos ostentados pelos demais países nórdicos.

O país escandinavo, de 10,3 milhões de habitantes, optou por medidas menos draconianas que os demais países europeus para frear a pandemia, uma decisão muito criticada.

No entanto, a taxa de mortalidade por covid-19 na Suécia é dez vezes maior do que a da Noruega, oito a da Finlândia, e quatro a da Dinamarca, embora siga distante das nações mais afetadas da Europa, como Espanha, Itália e Reino Unido.

"A estratégia é correta, porque é correto proteger vidas e a saúde. Que a Saúde receba os recursos que precisa, que atenuemos os efeitos nas empresas e para trabalhadores", afirmou o primeiro-ministro sueco, Stefan Löfven, ao jornal Expressen.

A Suécia optou por uma política de recomendações para a população, apostando na responsabilidade individual. Aos poucos, restrições foram adotadas, como fechamento de universidades, visitas aos asilos.

Aulas para crianças e adolescentes, no entanto, seguiram sendo realizadas, assim como restaurantes que continuaram abertos.

De todos os mortos no país, 90% são de 70 anos ou mais. A metade dos óbitos contabilizados no território aconteceu em instituição de acolhimentos de idosos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas