Tá de rango? Saiba como matar a fome nos circuitos do Carnaval

carnaval
21.02.2020, 06:15:00
Barraquinhas espalhadas pelos circuitos para saciar os foliões (Marina Silva/CORREIO)

Tá de rango? Saiba como matar a fome nos circuitos do Carnaval

CORREIO listou seis locais onde os foliões podem recarregar na folia

O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Para correr atrás do trio até Ondina é preciso ter força e estar bem alimentado. Se for beber então, é melhor forrar o estômago. No circuito Dodô (Barra/Ondina), os ambulantes que vendem comida estão aglomerados em, pelo menos, seis locais. Em todos estes, o pirão com carne é a comida mais vendida.

O dono do pirão do félix, Ivan Félix, diz que a febre do pirão no Carnaval começou há 4 anos porque “todo mundo gosta”.

“Pirão de aipim é a sensação porque é barato e a pessoa come um prato e aguenta até amanhecer”, acredita.

Pirão com carne é uma das iguarias preferidas (Foto: Marina Silva/CORREIO)

De acordo com ele, o preço é tabelado, por isso, é difícil encontrar uma porção de pirão com carne por mais que R$ 10.

Não é só o pirão com carne que tem preços parecidos por todo o circuito. As outras comidas mais vendidas também se mantêm na mesma faixa de valor. O que mais se vê no percurso são comidas rápidas. Outros preferidos dos foliões são acarajé, cachorro-quente, hambúrguer, pastel, pizza e yakisoba.

Em média, o acarajé com camarão é R$ 10, já o cachorro-quente sai por R$ 2. No meio da folia dá para encontrar pizza brotinho ou em fatias grandes entre R$ 5 e R$ 13. Também tem pastel por R$ 7 e yakisoba pequeno por R$ 18. Hambúrgueres mais simples saem por R$ 6 e outros mais sofisticados custam até R$ 20.

O CORREIO foi até a Avenida Almirante Marques de Leão, Rua Miguel Burnier (atrás do Shopping Barra), Rua José Sátiro de Oliveira (a ladeira que dá acesso aos morros do Gato e Ipiranga), a marginal da Avenida Oceânica no sentido Sabino Silva, Avenida Adhemar de Barros e na Avenida Oceânica após o Camarote Salvador.

Melancia também caiu no gosto dos foliões (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Come fruta, que hidrata!

Há também quem invista em alimentos mais inusitados para ganhar os clientes. A ideia de Jean Jadson é vender melancia para os foliões que passam pela Marques de Leão. Ele lista os pontos positivos da fruta: ajuda com a ressaca e ainda é saudável.

“Tem gente que compra aqui depois de beber para se hidratar. Ontem mesmo eu vendi 5 melancias inteiras e 15 pedaços”, conta.

Cada pedaço de melancia é vendido por R$ 3 e, na promoção, duas fatias saem por R$ 5.

De acordo com os vendedores, as vendas ficam mais fortes mais para o final dos blocos. No point dos lanches, que fica na Barra, o movimento começa a aquecer por volta das 22h.

“Aí continua até 1h com a galera que já curtiu e está com fome”, diz Sérgio oliveira, que é dono da barraca de comida.

Acarajé é tradição (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Acarajé mirim

Perto do shopping Barra, a maioria das pessoas param para comprar o mini acarajé de Adriana Jesus na madrugada, entre às 2h e às 3h. “A pessoas compram quando estão voltando para casa. Dá para perceber que muita gente passa aqui quando tá indo para o ponto que fica aqui perto”, afirma. O bolinho sem camarão sai por R$ 1 e com o fruto do mar fica R$ 2.

No fim do circuito, em Ondina, o movimento começa a se fortalecer quando os trios chegam no bairro. O pastel do João fica na marginal da avenida Oceânica e funciona há 15 carnavais. “A procura pelo nosso pastel é grande porque a gente existe há muito tempo e o pessoal já conhece. As pessoas chegam aqui com fome umas 20h, mas o movimento começa a se fortalecer por volta das 22h”, conta.

Apesar do papel da comida na larica pós-Carnaval, alguns foliões comem antes de cair na festa. Esse é o caso da administradora Manuela Oliveira, 28, que comeu uma pizza para se preparar para o Open Bar do camarote.

“A gente escolhe o que vai comer pela aparência. Procuramos o que tem mais estrutura para ter certeza da higiene”, diz.

Casal apostou na pizza: carboidrato e proteína para aguentar a maratona (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Confira a lista do que comer em cada lugar:

Avenida Almirante Marques de Leão
Estrutura: barraquinhas e alguns foodtrucks e carrinhos 
Comidas mais vendidas: Pirão com carne, Acarajé, pizza e Cachorro Quente

Rua Miguel Burnier (atrás do Shopping Barra)
Estrutura: barraquinhas e carrinhos
Comidas mais vendidas: Acarajé e Cachorro Quente

Rua José Sátiro de Oliveira (acesso aos morros do Gato e Ipiranga)
Estrutura: food trucks e barraquinhas
Comidas mais vendidas: Pirão com carne, Cachorro Quente e Hamburguer

Marginal da Avenida Oceânica - sentido Sabino Silva
Estrutura: food Trucks, restaurantes montados e barraquinhas
Comidas: Pirão com carne, Pastel, Acarajé e Hamburguer

Avenida Adhemar de Barros
Estrutura: food Trucks, restaurantes montados e barracas
Comidas: Pirão com carne, Yakisoba, Acarajé, Hamburguer, Crepe e Salgado

Avenida Oceânica após o Camarote Salvador
Estrutura: barracas
Comidas: Pizza, Pastel, Cachorro Quente e Açaí

*Com orientação do chefe de reportagem Jorge Gauthier

O CORREIO Folia tem o patrocínio do Hapvida, Sotero Ambiental, apoio institucional da Prefeitura Municipal de Salvador e apoio do Salvador Bahia Airport e Claro.

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/com-musica-dedicada-a-babu-baco-exu-do-blues-lanca-novo-album/
Com 9 músicas, incluindo faixas com críticas a Bolsonaro, EP foi disponibilizado nesta segunda-feira (30)
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/itau-cultural-lanca-webserie-gratuita-sobre-preconceito-violencia-e-desigualdade/
Nos primeiros episódios, Novo Mundo traz depoimentos de pastores evangélicos e é opção de reflexão nos dias de quarentena
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/salvador-unida-das-janelas-moradores-cantam-parabens-para-salvador/
O CORREIO convidou e soteropolitanos confinados aderiram ao aniversário coletivo de 471 anos da capital
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/gusttavo-lima-quebra-recorde-do-youtube-com-live-direto-de-sua-casa/
Foram 5h de show, 750 mil acessos simultâneos e 10 milhões de visualizações
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-sindico-instala-pia-na-entrada-de-predio-para-ajudar-vizinhos-idosos/
Espanhol radicado na Bahia decidiu ajudar na higiene no prédio que é síndico em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/a-fe-nao-costuma-faia-como-manter-a-religiao-em-isolamento/
O amparo na religiosidade é a salvação para muitos soteropolitanos; tecnologia é aliada
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/janelas-da-quarentena-do-dj-ao-saxofone-vizinhos-transformam-isolamento-em-uniao/
Baiano é outro nível... Nos últimos dias, movimento tomou conta de Salvador: tem até Carnaval dentro de casa; confira
Ler Mais