Tatuagem e fogo no marido: confira histórias de apaixonados pelo bloco As Muquiranas

salvador
25.02.2019, 16:00:00
Atualizado: 25.02.2019, 18:39:34
(Marina Silva/CORREIO)

Tatuagem e fogo no marido: confira histórias de apaixonados pelo bloco As Muquiranas

Entrega das fantasias acontece até sexta-feira (1º), as 8h às 20h

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Muitos foliões mal curaram a ressaca do Furdunço, que aconteceu neste domingo (24), e já nas primeiras horas desta segunda (25) marcaram presença na fila para entrega das fantasias do bloco As Muquiranas. A entrega dos kits, que este ano serão com a temática "Cabaré das Muquiranas", acontece de hoje até sexta-feira (1º), sempre das 8h às 20h, no Ginásio de Esportes Sindicato dos Bancários, na Ladeira dos Aflitos.

As cerca de 2.300 fantasias são assinadas pelo estilista Fabio Sande. O kit vem com sacola, arranjo de cabeça, par de luvas, gargantilha, par de meias, saia, bolsa, corselet, sunga, par de tênis, boá de penas e um informativo. 

Um dos ansiosos para garantir logo a fantasia foi o técnico em segurança André Neves, 34 anos. Com o look do ano passado no corpo, em homenagem a Carmen Miranda, ele saiu de casa às 13h de domingo, curtiu os bloquinhos de rua e, antes de retornar, aproveitou para ir logo retirar seu "abadá". 

Acompanhe todas as notícias do Carnaval Correio Folia

Logo nas primeiras horas da manhã, a fila já se arrastava por uns 200 metros ladeira abaixo. A animação foi tanta que até incomodou alguns moradores da região. Segundo informações da Secretaria de Manutenção da Ordem Pública (Semop), foram recebidas duas denúncias de poluição sonora pelo Fala Salvador (156). A partir das denúncias, uma equipe de fiscais esteve no local e notificou o bloco, para sanar a irregularidade e reduzir o som alto imediatamente. O descumprimento da notificação pode gerar autuação para a agremiação. 

A  Policia Militar, por sua vez, informou que, por volta das 9h30, deslocou policias militares para averiguar denúncia de som alto na fila de entrega das fantasias. Os policias, contudo, não identificaram a denúncia. Mesmo assim, a PM informou que o policiamento da região foi reforçado. 

À parte as reclamações, André, que veio do Furdunço para os Aflitos, não esboçava nenhum sinal de cansaço ao lado de amigos:

"Sou carnavalesco de coração e é um amor sair nas Muquiranas. Em 2004, quando eu vi, pela TV, o desfile do bloco, fiquei encantado. Desde então, não perco um ano. Cheguei aqui depois de sair do Furdunço, umas 20h", contou empolgado.

E é bom mesmo ter pique, porque As Muquiranas desfilam em três dias da folia. No sábado, o bloco sai no Campo Grande, ao som do Parangolé. Já na segunda-feira (4), volta ao circuito, desta vez com Psirico. A despedida será na terça-feira, na Barra-Ondina, ao comando do gigante Léo Santana.
 

Fantasia este ano será temática de cabaré (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Assédio
Alguns adeptos do bloco dizem que sair vestido de mulher nas ruas é uma forma de homenageá-las. Outros acham que a caracterização os ajudam a ganhar a graça das foliãs na avenida. Mas, embora sejam conhecidos por serem divertidos, alguns foliões do bloco desagradam quando passam do ponto na hora da paquera.

É bom ficar ligado, porque assédio é crime. Este ano, haverá punição e quem importunar sexualmente outra pessoa pode pegar até cinco anos de prisão. A lei federal, sancionada em setembro do ano passado, tornou crime a importunação sexual e prevê pena de 1 a 5 anos de prisão.

Adriano tatuou a marca do bloco no braço (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Adriano Santana, 40, é uma muquirana há 16 anos. Ele afirma que aqueles que realmente têm amor pelo bloco não passam dos limites na hora da paquera, nem transformam o flerte em assédio. Ele, por exemplo, conheceu a sua ex-namorada no Campo Grande, durante a passagem do trio. "Na base do respeito", frisou.

Seria uma linda história de amor ne Carnaval, mas o mesmo bloco que uniu foi responsável por acabar com o relacionamento. "Ela não aceitou. Então, preferi o bloco", brincou.

O amor pelas Muquiranas é tão grande que ele, além de dispensar a namorada, ainda tatuou a marca do bloco em um dos braços. Para ter a chance de desfilar este ano, Adriano desembolsou R$ 700.

"Comprei o bloco em abril do ano passado e fiquei desempregado em setembro, mas, mesmo assim, consegui quitar", revelou o folião. 

Fogo no marido
Não foi só Adriano quem teve problema no relacionamento por causa do bloco. O garageiro Redivaldo Carqueija, 41, conta que sua ex-mulher teve um momento de fúria por causa de ciúmes da paixão dele pelas Muquiranas.

"Em um momento de muita raiva, a minha ex-esposa quis que eu decidisse entre ela e o bloco. Muitos iriam preferir o amor ao invés das Muquiranas, mas eu escolhi o bloco", conta.

"Ela não gostou e queimou meu braço. Jogou álcool e tocou fogo, mas essa marca não vai me fazer lembrá-la, pelo contrário. Eu sempre lembro é do meu amor ao bloco", brincou ele, que fez churrasco na fila, para garantir o bom humor na hora de buscar a fantasia.

Redivaldo fez churrasquinho na fila enquanto aguardava a fantasia (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Serviço:
ENTREGA DAS FANTASIAS MUQUIRANAS 2019
Data: Entre 25 de fevereiro e 1º de março
Horário: Das 8h às 20h
Local: Ginásio de Esportes do Sindicato dos Bancários (Ladeira dos Aflitos, s/nº - Aflitos, Salvador - BA)


* Com supervisão da subeditora Fernanda Varela

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas