Taxa de mortalidade infantil aumenta na Bahia pela primeira vez em 26 anos

bahia
18.07.2018, 18:00:00
Atualizado: 18.07.2018, 20:53:40

Taxa de mortalidade infantil aumenta na Bahia pela primeira vez em 26 anos

A cada mil nascimentos no estado, 18 bebês morreram

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A Bahia registrou um aumento na taxa de mortalidade infantil pela primeira vez desde 1990, seguindo a tendência nacional. Em 2016, 18 óbitos infantis foram registrados no estado a cada mil nascimentos. A média é superior à nacional, que foi de 14 mortes. Com o aumento, a Bahia se aproximou aos índices de 2014.

O Ministério da Saúde atribui o crescimento à epidemia do vírus da zika e a crise econômica do país. De acordo com a pasta, a zika trouxe uma queda de nascimentos e aumento de mortes de bebês por malformações graves. A crise econômica trouxe, de acordo com o Ministério, mortes infantis que poderiam ser evitadas, como as causadas por diarreias e pneumonias. 

Desde 1990, quando o Ministério passou a adotar os critérios vigentes, a redução anual tinha média de 4,9%. Nacionalmente, a taxa ficou em 14 óbitos infantis a cada mil nascimentos. De acordo com o relatório da Unicef, a tendência de redução se manteve no mundo. A taxa foi de 42 óbitos para 41.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas