Tchau, verão; vem, outono: milhares se reúnem na Barra no último dia da estação

salvador
21.03.2022, 05:00:00
(Marina Silva/CORREIO)

Tchau, verão; vem, outono: milhares se reúnem na Barra no último dia da estação

Próximos meses devem trazer chuva e temperaturas mais amenas para a capital

Se um domingo já pede praia, imagina se ele for o último do verão. Enquanto o pôr do sol começava a dar espaço para o outono, a orla da Barra ficou lotada e muita gente aproveitou o calorão de 31ºC para tomar um banho de mar e curtir o resto do final de semana nos bares e restaurantes da região. A verdade é que a estação preferida dos baianos mal foi embora e já deixou saudades.

Janderson dos Santos, 28, trabalha com serviços gerais e aproveitou o mês de março para tirar férias. Morador da Bonocô, ele chegou na praia no início da tarde e contou que pretendia estender o passeio até de noite na Barra. “O verão foi perfeito para mim, curti minhas férias e agora vou voltar para o serviço. Mas final de semana quando eu posso, venho para a praia aqui. Hoje só vou embora às 22h”, contou. 

Poucas pessoas utilizavam máscara na Barra nesse domingo (Foto: Marina Silva/CORREIO)

Já a turista Idelma de Carvalho, 55, natural de São Paulo, desembarcou em Salvador com parentes e amigas nesse domingo (20). Com planos de ficarem mais seis dias na capital e ainda visitar Morro de São Paulo, a comerciante disse estar ansiosa para conhecer mais a história da cidade e visitar museus. “Escolhemos Salvador porque é diferente, eu gosto muito de história e as praias também são lindas”, diz. Elas não deixaram o primeiro dia da viagem passar em branco e desfrutaram o último dia do verão visitando o Farol da Barra. 

Era por volta de 16h30 quando Dandara Pereira, 23, e Maria Costa, 24, chegaram ao Porto da Barra para se despedir da estação com um mergulho no mar calmo. Mesmo sem utilizar máscaras e com a praia cheia, as amigas disseram ainda não estarem completamente confortáveis com as flexibilizações da pandemia, que também foram marca desse verão. No sábado (19), o governo do estado suspendeu o limite de público para eventos, e a decisão sobre a liberação do uso de máscaras em locais abertos deverá ser tomada no próximo mês. 

Banhistas se divertem no Porto da Barra (Foto: Marina Silva/CORREIO

“Eu acho que ainda não está na hora de flexibilizar tanto, mas a gente acaba indo no fluxo. É difícil ficar em casa quando não tem medidas públicas e um movimento coletivo para ficar em casa, então acabamos indo também”, afirma Maria. Já a advogada Ana Clara Osório, 32, que assistia ao pôr do sol em frente ao Farol da Barra, diz que já se sente segura em diminuir as medidas restritivas no dia a dia. Nesse domingo (20), a Bahia registrou queda no número de casos ativos de covid-19: 1.631 infectados.  

“Acho que está no momento de começar a liberar a máscara, já está quase todo mundo vacinado com a segunda e terceira dose da vacina, então vamos liberando e vendo o que acontece” afirma.

Ana e a amiga Vanessa Dias, 33, moram no Itaigara, mas foram até a orla para pedalar. Com o final de tarde, aproveitaram o calor para tomar uma cerveja em frente o ponto turístico depois do exercício. 

Longe da areia, em um dos bares na orla, Ítalo Grasso, 30, estava na companhia de três amigos, que aproveitavam a ocasião para colocar o papo em dia e flertar: “O ambiente aqui está muito agradável, muita gente bonita e cerveja gelada. O clima também está muito gostoso”. Na ocasião, a brisa do mar disfarçava a temperatura de mais de 30º.  

Apesar do final de semana de calorão, o primeiro trimestre do ano foi mais marcado pelas fortes chuvas. Os fenômenos La Niña, resfriamento das águas do oceano Pacífico, e os Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCAN), fluxos de vento no sentido horário, foram os grandes responsáveis pelos temporais que atingiram a capital e o interior, como explica o meteorologista do Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil de Salvador (Cemadec), Giuliano Carlos do Nascimento.  

“Foi um verão bem atípico de chuvas aqui na capital. Segundo a série histórica, as chuvas ficaram bem acima do previsto. Em março o esperado de chuva era de 156,8 mm, mas a estação de referência de Ondina registrou mais de 200 mm, então ficou acima da média climatológica”, afirma Giuliano.  

Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o acumulado de chuvas em Salvador nos últimos 30 dias já chega 320 mm. Para os amantes do calorão, as notícias não são tão boas, porque o outono costuma ser marcado por chuvas e temperaturas mais amenas. “As temperaturas devem cair um pouquinho por conta da quantidade de chuva e nebulosidade. A tendência é que as chuvas também sejam acima da média esperada”, diz. 

Aldírio Almeida, meteorologista do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), explica ainda que normalmente os meses de abril e maio são os mais chuvosos em Salvador. “Enquanto que em grande parte do interior do estado o período de chuvas finda no início do outono, na faixa litorânea é quando as chuvas ficam mais frequentes”.

*Com orientação do editor de mídias sociais e engajamento, Jorge Gauthier

(Marina Silva/CORREIO)
(Marina Silva/CORREIO)
( Marina Silva/CORREIO)

***

Em tempos de desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informações nas quais você pode confiar. E para isso precisamos de uma equipe de colaboradores e jornalistas apurando os fatos e se dedicando a entregar conteúdo de qualidade e feito na Bahia. Já pensou que você além de se manter informado com conteúdo confiável, ainda pode apoiar o que é produzido pelo jornalismo profissional baiano? E melhor, custa muito pouco. Assine o jornal.


Relacionadas