Tem carro da Ford? Veja o que muda

bahia
14.01.2021, 05:00:00
Estrutura de concessionárias deve ser mantida, diz montadora (Divulgação)

Tem carro da Ford? Veja o que muda

Empresa garante manutenção de serviços pós-venda normalmente

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Desde que anunciou o fim da produção de veículos no país, a Ford passou a enfatizar em todos os esclarecimentos ou materiais promocionais a seguinte frase: “A Ford estará ativamente presente no Brasil com sua rede de concessionários, oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia”. Quando o consumidor digita o nome da montadora norte-americana numa famosa página de buscas, encontra um comunicado em que a afirmação é repetida cinco vezes. 

A preocupação da empresa é justamente a de mostrar para o consumidor que continuará operando no Brasil, apesar dos prejuízos econômicos provocados pela decisão de fechar as fábricas nas cidades de Taubaté (SP) e na baiana Camaçari, imediatamente, além de Horizonte (CE), até o final deste ano. Mas analistas divergem quando o assunto é o impacto deste movimento para quem comprou ou pretende adquirir produtos da marca. 

Há quem acredite que não haverá impactos nos preços dos produtos que ainda serão vendidos e os que apontam uma tendência de desvalorização dos veículos que deixam de ser produzidos. A marca garante em nota que não. “A Ford estará ativamente presente no Brasil com sua rede de concessionários e continuará honrando a garantia de seus veículos, oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição, normalmente, após a garantia”. Os modelos continuam em vendas até que durem os estoques.

Em resposta às dúvidas, o consultor automotivo Paulo Garbossa, da ADK Automotive, esclarece que nada muda. Ele argumenta que o consumidor é a parte menos afetada nessa história. “Quem, realmente, perde com o fechamento das atividades nas fábricas da Ford é a economia do Brasil, principalmente, com a perda de milhares de empregos diretos e indiretos que isso vai causar”.

Raphael Galante, consultor da Oikonomia Consultoria Automotiva, diz que a desvalorização é uma consequência inevitável para quem acabou de tirar um Ford zero da concessionária, mas ainda não se sabe quanto. “Quem comprou um carro Ford nos últimos 60 dias realmente viu seu produto desvalorizar. Quanto, ainda não sabemos. Por outro lado, se você pensar em uma pessoa que quer comprar um carro e quer aproveitar um bom desconto, essa é a hora”, avisa. 

“Ford e distribuidores vão ter que desovar todo o estoque que eles têm. Podemos ter boas opções de compra de um carro Ford que vai sair de linha, mas com um preço interessante”, afirma Galante.

Já era conhecido o plano da Ford de priorizar SUVs e pick-ups, em detrimento de modelos como Ka e EcoSport, que são considerados defasados pelo mercado. Neste ano são esperados quatro lançamentos de veículos de maior valor agregado da Ford. 

Cenário diferente
Para o consultor Fernando Alves Trujillo, a situação gerada pelo fim da produção da Ford no país é diferente do que ocorreu com outras marcas no passado, como as chinesas JAC ou Chery, em sua primeira vinda ao Brasil sem o grupo Caoa, em que houve uma forte desvalorização dos automóveis quando a fabricação foi suspensa. “A marca Ford é relevante, ela continuará aqui, tem boa rede de concessionários. E a empresa vai tentar se posicionar de forma mais premium. Não é preciso correr para vender um carro Ford, ele vai se desvalorizar um pouco, mas continua sendo de uma empresa confiável”, destacou o especialista.

Direito de assistência é garantido
O advogado Igor Marchetti, do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), afirma que todos os direitos dos motoristas que compraram carros da marca no país estão mantidos. “O fato de a fábrica não estar mais no país não limita os direitos do consumidor, existindo obrigação das concessionárias e da rede Ford de fornecer as peças de reposição, bem como de garantir seus direitos caso eventuais problemas com os veículos surjam durante a utilização”, garante.

O advogado frisa que nada muda, por exemplo, no que diz respeito à garantia. “Caso identifique problema, o consumidor poderá exigir do fornecedor o conserto do produto, podendo ainda em casos de não reparação exigir o dinheiro de volta com base no disposto no artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor”, avisa. 

Ele pondera, no entanto, que o consumidor poderá lidar com prazos maiores para a reposição de peças. 

A Ford informou que manterá a fabricação de peças no país por mais algum tempo para não causar desabastecimento nas redes de serviços. A empresa também afirmou  que vai manter a assistência total ao consumidor, com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia para seus clientes no Brasil e na América do Sul.

Concessionárias
De acordo com a montadora Ford, a sua rede de concessionárias não deverá sofrer mudanças neste momento. A empresa afirma que eventuais alterações serão comunicadas com antecedência. Para Luiz Pimenta, diretor do Grupo Morena, a mensagem da Ford precisa ser melhor compreendida. “Eles não estão saindo do Brasil, estão mudando a sua estratégia de atuação, mais focada em SUV's e pickups. Quanto à questão da importação dos produtos, todos os carros da marca, à exceção do Ecosport e o KA, já eram importados”, pondera. 

Com formação na área econômica, Pimenta destaca que o prejuízo do fechamento da fábrica para a Bahia como um todo de fato é grande, porém ele acredita que a situação não vai prejudicar quem compra os carros da Ford, ou mesmo a rede de concessionárias. “Vendemos a marca desde a década de 70 e pretendemos continuar com ela. Acredito que teremos um ajuste de mercado, talvez algumas redes optem por outras marcas”, pondera. 

Segundo Pimenta a saída de linha do Ecosport e do KA não deve ter impacto no preço do produto para o consumidor. “É uma situação parecida com a do Focus, em que o anúncio do fim da produção levou inclusive a um aumento na procura do consumidor pelo carro”, lembra.  


Dúvidas dos consumidores

A Ford está saindo do Brasil?
Não, a Ford deixa de fabricar automóveis no país, mas estará atendendo o mercado nacional com SUVs, picapes e veículos comerciais importados. 

Comprei um veículo da marca recentemente. Vou ficar sem assistência técnica e garantia?
A Ford estará presente no país com sua rede de concessionários e continuará oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia.

Meu carro pode desvalorizar porque a Ford está encerrando a produção do mesmo?
Como qualquer outro produto, com o passar do tempo, o valor do carro tem uma tendência natural de desvalorização, o que é uma condição normal de mercado, válida para todas as marcas. 

Meu concessionário Ford continuará me atendendo?
Neste momento, não há mudanças na rede de concessionárias. Segundo a empresa, ajustes futuros serão comunicados oportunamente aos consumidores, com total transparência.

Mesmo com o anúncio da parada de produção do Ka e do EcoSport, ainda será possível comprar estes veículos?
Sim, os concessionários da marca continuarão vendendo unidades remanescentes até o final dos seus estoques. 

Haverá alguma mudança no serviço de assistência 24 horas da marca?
Não há nenhuma mudança na cobertura do serviço 

Como comprar peças ou serviços a partir de agora? Terá mudança? Posso perder a garantia?
Não há motivo para preocupação, segundo a empresa. A Ford continuará ativamente presente no Brasil com sua Rede de Concessionários, oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia, em todo o país.

Acabei de dar um sinal para comprar um veículo Ford, mas em função deste anúncio, desisti. Como faço para cancelar a compra?
Você deve dirigir-se ao concessionário onde a compra foi efetuada e solicitar o cancelamento da mesma de acordo com a regulamentação prevista no Código de Defesa do Consumidor.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas