Tenente da PM acusado de matar namorada em Minas Gerais é preso na Bahia

bahia
15.04.2021, 22:37:23
Ana Luiza Souto Dompsin, de 25 anos, morreu no dia 23 de março com um tiro na nuca (Reprodução)

Tenente da PM acusado de matar namorada em Minas Gerais é preso na Bahia

Amauri dos Santos Araújo foi preso nesta quinta-feira (15) na cidade de Cândido Sales, no sudoeste do estado. Polícia chegou a investigar o caso como suicídio

O tenente da Polícia Militar Amauri dos Santos Araújo foi preso, nesta quinta-feira (15), na cidade de Cândido Sales, no sudoeste da Bahia, onde fica a 80ª CIPM, onde ele é lotado. O policial de 33 anos é acusado de matar a namorada Ana Luiza Souto Dompsin, de 25 anos. O crime ocorreu na madrugada do dia 23 de março, na cidade de Divisa Alegre, em Minas Gerais, na divisa com a Bahia.
 
A prisão foi feita por policiais civis da cidade mineira de Pedra Azul, que investiga o caso. A Polícia Militar da Bahia informou que cooperou com a investigação e que o tenente foi encaminhado para custódia no Batalhão de Choque da Polícia Militar, em Salvador, onde está à disposição da Justiça.
 
Natural de Vitória da Conquista, a dentista Ana Luiza foi encontrada morta com um tiro na nuca na madrugada do dia 23 de março, após uma vizinha chamar a polícia, depois de ouvir um disparo de arma de fogo.
 
O tenente Amauri estava na casa no momento em que os policiais militares de Divisa Alegre chegaram. De acordo com a versão dos PMs, o tenente tentava reanimar Ana Luiza. Na ocasião, ele informou que a namorada tinha pegado sua arma e disparado na própria nuca. Diante das informações, a Polícia Civil de Minas Gerais passou a trabalhar com duas linhas de investigação para elucidar o crime: suicídio, versão apontada pelo tenente, ou feminicídio, hipótese defendida pela família da dentista.
 
Logo após o crime, a família de Ana Luiza passou a contestar a versão do tenente. Em conversa com o CORREIO, no dia 25 de março, a mãe da dentista, Keila Souto informou que pessoas da cidade teriam presenciado uma discussão da dentista com o policial militar baiano, momentos antes da morte de Ana Luiza. Durante a discussão, que começou em um posto de combustível e terminou dentro de um imóvel, os vizinhos escutaram a dentista pedindo para o tenente Amauri ir embora.  

“O pessoal da cidade falou, que a briga começou no posto de gasolina da cidade. A vizinha contou que o carro chegou à 00h40, e eles entraram. Houve muito barulho e discussão, que ouvi ela dizer para ele ir embora. Lá por volta das 2h, todos os vizinhos ouviram um barulho forte. Uma vizinha ligou para o marido, que é policial e chegou logo. Foi quando ele (Amauri) saiu de dentro da casa se identificando também como policial e que alguém havia se matado”, contou Keila ao CORREIO, dois dias após a morte da filha.

Segundo a família da dentista, o casal, que se conheceu em julho de 2019, já havia se separado duas vezes – todas após Ana sofrer agressão do PM – e reatado 15 dias antes da morte de Ana Luiza. Em uma discussão no ano passado, o tenente chegou a apontar uma arma para a dentista. “Voltaram há 15 dias, mas das outras duas vezes a relação terminou porque ele batia nela. Desta vez terminou porque ele a matou”, declarou a mãe de Ana em 25 de março.
 
Apesar das agressões, Ana nunca procurou a polícia. “Ela não foi a nenhuma delegacia. Ela nuca disse para a nós. Quem me contou das agressões foi uma amiga dela. Ela terminava e não queria mais vê-lo, mas não contava o motivo para a gente. Justamente não queria falar das agressões”, disse a mãe.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas