Terreiros de Candomblé fazem caminhada pelo fim do ódio religioso

salvador
12.11.2019, 20:14:00
Atualizado: 12.11.2019, 20:14:22

Terreiros de Candomblé fazem caminhada pelo fim do ódio religioso

O objetivo é reunir adeptos das mais diversas crenças para pedir o fim das perseguições às religiões de matriz africana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As comunidades religiosas de matriz africana do Engenho Velho da Federação realizam, na próxima sexta-feira (15), a XV Caminhada pelo fim da Violência e do Ódio Religioso e pela Paz. A concentração será a partir das 13h, no busto de Mãe Runhó, localizado no final de linha do Engenho Velho da Federação. 

O objetivo da caminhada é reunir adeptos das mais diversas religiões para pedir o fim das perseguições às religiões de matriz africana, como Candomblé e Umbanda, que são vítimas cotidianamente do racismo religioso, mesmo em um bairro (e em uma cidade) historicamente ocupado por essas religiões.   

A  "Caminhada pelo fim da Violência e do Ódio Religioso e pela Paz" percorre a rua principal do bairro do Engenho Velho da Federação (Rua Apolinário Santana), e da Federação (Avenida Cardeal da Silva) em direção à Vasco da Gama, retornando ao ponto de saída: o busto de Mãe Runhó no fim de linha do Engenho Velho da Federação. 

Com cânticos e toques sagrados, por onde passa a caminhada leva a mensagem de paz, união e respeito religioso, sendo saudada pela comunidade e por terreiros que ficam no trajeto como o Gantois, a Casa Branca, o terreiro Oxumaré e o terreiro do Bogum, entre outras comunidades religiosas que resistem ao preconceito e à intolerância para professar sua fé. 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas