'Teve gente que pegou R$ 850', diz motorista de Uber que filmou 'chuva de dinheiro'

salvador
17.01.2021, 19:57:42
Atualizado: 17.01.2021, 21:41:20
Atan: 'fui gravar vídeo e só peguei R$150' (Tiago Caldas/Correio)

'Teve gente que pegou R$ 850', diz motorista de Uber que filmou 'chuva de dinheiro'

Atan preferiu registrar o momento e catou apenas R$ 150: 'Vou comer uma moqueca com a patroa e as crianças'

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O motorista de aplicativo Atan Gama de Araújo, 28, estava no lugar certo no dia "D" e na hora "H". Esperava parado pela próxima corrida, em frente à lanchonete Bob´s, na Barra, quando um policial que estava perto gritou: "É dinheiro! É dinheiro". Atan olhou para o céu e só viu "os pontinhos brancos". Caiam do Hotel Monte Pacoal, no início da Rua Marquês de Caravelas. "Cara, era muito dinheiro! Pela quantidade de dinheiro que algumas pessoas pegaram, era mais de R$ 10 mil", conta Atan, um dos que participaram da chuva de cédulas que causou uma grande confusão na noite de sábado. 

Só que Atan se dividiu entre gravar o flagrante para as redes sociais e pegar a sua parte da grana. Suas imagens viralizaram no Instabram e Twitter, mas acabou ficando com apenas R$ 150. Chegou a ver pessoas embolsando e se vangloriando de catar R$ 450, R$ 700 e até R$ 850. "Teve uma mulher que pegou 850. Ela é baleira e realmente precisava". Neste domingo, Atan voltou ao local e mostrou umas das três cédulas. As outras duas havia deixado em casa para não gastar sem que fizesse uma gracinha para a família. 

"Vou comer uma moqueca com a patroa e as crianças. Bem que eu queria trocar de carro, mas não vai dar. Estou indignado com essa minha cara de abestalhado", riu Atan, que pelo menos deu mais sorte que o amigo dele. "Um amigo perdeu o celular na confusão e não conseguiu pegar dinheiro nenhum". Até agora não se sabe quem jogou o dinheiro. E muito menos o que o motivou a fazer isso. "Eu supoho que foi briga de casal. Ou então a pessoa que ganhou na mega-sena tá hospedado aí. De uma coisa eu sei: caiu daqui do hotel", disse Natan. 

Hotel não se manifestou (Foto: Tiago Caldas)

Parte do dinheiro acabou caindo em cima da marquise onde fica o letreiro do hotel. Algumas pessoas queriam subir na marquise e foram impedidas por funcionários. A polícia foi chamada e, quando chegou, a confusão já estava no fim. O curioso é que a frente do hotel virou ponto de encontro. Na tarde deste domingo, ainda havia gente esperando que jogassem mais dinheiro. Muitos passavam olhando pra cima. Uma mulher de muletas disse que ia dar plantão ali até alguém repetir o ato.

Doação

A estudante de Ciências Sociais Rafaelle Dias, 22 anos, também conseguiu pegar uma pontinha, mas em vez de gastar preferiu dar para "o pessoal que tá no corre". Isso mesmo! Os R$200 que Rafaelle embolsou acabou doando para ambulantes da Barra. Turista de Maringá, no Paraná, ela está passeando em Salvador como mochileira há um mês. Tem trabalhado como voluntária em troca de hospedagem e comida em um hotel.

"A gente tava indo comer uma pizza. Só vi o dinheiro caindo. Mas era tanto dinheiro que devem ter aberto uma maleta. A gente tava no lugar certo e na hora certa. Dei para uns carinhas que vendem colar, pulseira", disse Rafaelle. A poucos metros do hotel, Gerônimo Oliveira, 48 anos, que trabalha em uma banca que vende lanches e coco, não pegou um real sequer. Acho que tudo não passava de uma brincadeira. 

"Era muito dinheiro e as notas caíam perto de mim. Mas minha ficha não caiu, não tive ação. Achei que o povo tava fazendo papel de besta", julgou Gerônimo. O hotel não se manifestou sobre o caso até o momento. A Polícia Militar informou que unidades da 11ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) e da Rondesp Atlântico foram acionadas para conter uma ocorrência de tumulto no local, mas ao chegar já encontraram tudo normalizado. 


***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas