Tradição, polêmicas e muita paz: os 70 anos do Gandhy em 40 de CORREIO

carnaval
03.03.2019, 06:30:00
Atualizado: 03.03.2019, 08:10:32

Tradição, polêmicas e muita paz: os 70 anos do Gandhy em 40 de CORREIO

Maior bloco do Carnaval de Salvador, afoxé convive com a ousadia das mudanças e manutenção de sua história

O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Imagem do Gandhy na Castro Alves em 1992 (Foto: Claudionor Junior/Arquivo Correio) 

No primeiro desfile, em 18 de fevereiro de 1948, um domingo, eram apenas 36 estivadores. Entre eles Vavá Madeira, Careca e Seu Dinho do Pinto Preto. Vestiam lençóis brancos e tranças feitas com réstias de cebola enroladas nas cabeças. Muitos inscritos não desfilaram com receio da repressão policial. “Ninguém podia imaginar o que a polícia podia fazer”. Como ficou tudo bem na estreia, na segunda-feira eram mais de cem homens na avenida.
 
Acompanhe todas as novidades do Carnaval Correio Folia

No mês seguinte ao que o CORREIO nascia, o afoxé Filhos de Gandhy completava 30 anos. A reportagem de página inteira trazia esses e outros detalhes da fundação do bloco e dos carnavais que se seguiram. Trazia, inclusive, a primeira polêmica histórica do bloco, muito mais transformadora do que a controvérsia atual sobre a fantasia dourada em comemoração aos 70 anos.

Em 1951, muita gente reclamou do fato de o bloco ter deixado de ser apenas de estivadores. Os Filhos de Gandhy quebravam a sua primeira tradição. “Apesar de ter sido fundado por estivadores, a partir de 1951 o bloco passou a admitir outras pessoas. A ideia não agradou”, diz a reportagem. Acontece que o crescimento do tapete branco era inevitável. O afoxé precisava de associados para sobreviver, argumentava a diretoria à época, prometendo manter a essência. O Gandhy se abriu e, 30 anos depois, já tinha 800 associados.

O fato é que o confronto entre tradição e modernidade sempre esteve presente na história do Gandhy. O argumento do diretor do Gandhy na época se assemelha ao do presidente atual do bloco, quando se defendeu sobre a fantasia dourada e o calçado “Crocs” que substituiu as alpercatas. 

“Tudo no Gandhy tem uma polêmica. Não estamos mudando a tradição. Mantemos os cânticos, os adereços, os instrumentos e a musicalidade. Estamos preservando o tapete branco, que é visto de cima”, disse Gilsoney de Oliveira, destacando que a cor do turbante foi mantida. “O Gandhy não é só sua fantasia. A tradição sempre se manteve com todas as mudanças”, pontuou, lembrando de outras polêmicas históricas.

“A fantasia original era toda branca. Um lençol branco e um pano na cabeça. Daí teve polêmica quando se acrescentou os desenhos e a cor azul. O azul não existia e foi incorporado. Depois teve polêmica quando criou o turbante, que hoje é tradicional. Em seguida teve polêmica quando colocou o carro de som, a mesma coisa quando colocou trio”.

Algumas dessas passagens sobre a beleza, a tradição e as polêmicas do Gandhy estarão nos destaques desta página. Neste especial que preparamos sobre a história do afoxé, traçamos um resumo do que foi o bloco ao longo dos 40 anos de cobertura do CORREIO. São 70 anos de Gandhy em 40 de jornalismo. Sete décadas de tradição, polêmicas e muita paz.  

1 - Rivalidade: Som dos trios atrapalham cadência dos afoxés

Afoxés eram sufocados pelo som dos trios na década de 1980 (Foto: CARLOS CATELA/Arquivo) )

Na década de 1980, os Filhos de Gandhy se estabeleceram de vez como o tapete branco. Ao mesmo tempo, o som dos trios elétricos ganharam potência e começaram a rivalizar não só com o Gandhy, mas com Badauê, Império da África e Filhos do Congo, todos conhecidos pela cadência do ijexá, ritmo tocado com mais leveza e sem amplificação. O Correio da Bahia de fevereiro de 1986 abordou o problema: “Apesar dos trios elétricos terem prejudicado a apresentação dos afoxés, o êxito dessas agremiações ficou comprovado. Mesmo com os trios conseguindo sufocar o ritmo cadenciado, as pessoas que assistiam não conseguiam se conter e saíram cantando ao som calmo de atabaques, agogôs e caxixis”. Na década de 80 já havia a preocupação com a falsificação das fantasias. No carnaval de 1984, a diretoria implementou mudanças para combater a prática. “Usarão uma faixa na cintura com a inscrição: 100 anos de Carnaval na Bahia”.

2 - Padê - Licença para  Exu: Na fé e na paz com ‘folha corrida’

Tradição do Padê de Exu é mantida (Foto: Marcos Aurelio Martins/Arquivo CORREIO)

Entre as décadas de 80 e 90, o Gandhy seguiu tentando manter suas tradições religiosas e sociais. Na primeira, cumpria à risca (e ainda cumpre) o ritual do Padê, momento em que a entidade pede licença a Exu antes de sair do Pelourinho e desfilar pela Rua Carlos Gomes e pelo Campo Grande. Na segunda, tentava se manter como exemplo de paz na avenida. Tanto que, no Carnaval de 1991, o bloco tentou resgatar uma exigência dos seus primórdios, quando exigia antecedentes criminais dos seus associados. A “folha corrida” criou polêmica e “acabou fazendo com que um grande número de participantes do bloco deixassem de desfilar esse ano”, como mostrou o Correio da Bahia de fevereiro de 1991. O presidente à época, Dalvadízio Fonseca, justificou a nova regra como forma de “evitar atritos com a Polícia Militar”. “Ninguém gosta de mudança, mas foi preciso para evitar confusões”. O bloco perdeu 30% dos seus associados. Naquele mesmo ano, outra novidade agradou os integrantes do afoxé. “Um potente caminhão de som foi saudado com entusiasmo pelos associados, que, pela primeira vez, ouviram bem o som dos atabaques e agogôs sem serem abafados pelos trios”.  FOTO DE MARCOS AURÉLIO MARTINS/Arquivo Correio de 10 de fevereiro de 1991

3 - Gandhi baiano: Branco da paz convive com azul e com falsificações

Raimundo Queiróz sobre o camelo: o nosso Mahatma (Foto: TVE/Arquivo) 

O azul de Ogum e Oxaguiam começou a ganhar força entre as décadas de 1990 e 2000, como mostra esta imagem que retrata o personagem conhecido como “Gandhi baiano”. Por quase 30 anos, Raimundo Queiróz desfilou no bloco representando a figura do pacifista indiano Mahatma Gandhi. Independentemente das cores, a fantasia sofria mudanças para evitar falsificações, como a que ocorreu em 1995. “Fantasia do Gandhy é falsificada por quadrilha”, estampou o Correio da Bahia de 25 de fevereiro. Quatro homens foram presos. “Grupo é acusado de falsificar 200 fantasias”. Telas de silk scream do ano anterior foram utilizadas na falsificação

4 - Colar de beijos: Tradição x ‘invasão’ branca

Troca de colares por beijos: mais uma polêmica na história do Gandhy (Foto: Andréia Farias/Arquivo CORREIO)

Na década de 2000, o Gandhy viu o número de associados crescer. Se tornou disparado o maior bloco do Carnaval, com a média de 7 mil associados. Cada vez mais brancos se tornaram adeptos do tapete branco. Coincidência ou não, as polêmicas envolvendo tradição x modernidade se amplificaram. Uma das reclamações da velha guarda é de que os novos integrantes desconhecem a história do bloco e estão mais preocupados com a troca de colares por beijos, que virou moda. “Tradição e paquera marcam desfile do Gandhy”, titulou o Correio da Bahia em 2008. Em 2006, teve a polêmica do turbante azul, uma tentativa de evitar o “derrame” de fantasias falsas. Até que veio 2018 e a fantasia dourada. Mais polêmica! Os protestos contra a descaracterização do bloco viraram até perfil no Instagram. O @quegandhyeesse luta pelo fortalecimento das tradições. “Amarelo, a cor da discórdia”, estampou a matéria do CORREIO. 

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/abner-pinheiro-publica-foto-com-bebe-nunca-vou-desistir-de-voce/
Briga após influencer baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-polemica-com-teste-de-dna-e-traicoes-sthe-vai-processar-abner/
Briga após influencer baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-live-com-miley-cyrus-anitta-e-chamada-de-icone-pop-brasileiro/
Cantoras conversaram via Instagram e dançaram Rave de Favela
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ajustes-deixaram-a-ranger-mais-competitiva/
Em vídeo, Antônio Meira Jr., explica o que mudou na picape da Ford
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-teste-de-dna-e-traicoes-abner-e-sthe-ganham-mais-de-16-mi-de-seguidores/
Treta após baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado do mundo nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/baco-exu-do-blues-lanca-ep-contra-o-tedio-da-quarentena/
Preso em casa, artista produziu nove faixas em três dias
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bolsonaro-muda-o-tom-e-diz-que-coronavirus-e-maior-desafio-da-nossa-geracao/
Presidente criticou isolamento mais rígico e voltou a ser alvo de panelaços; veja vídeos em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leo-picon-admite-ser-o-ex-em-comum-de-manu-gavassi-e-rafa-kalimann/
Participantes do BBB falaram, no programa, que já se relacionaram com a mesma pessoa
Ler Mais