Traficante picado por Naja é indiciado; estudante comercializava cobras há 3 anos

em alta
13.08.2020, 15:51:06
Atualizado: 13.08.2020, 15:59:31
(Reprodução)

Traficante picado por Naja é indiciado; estudante comercializava cobras há 3 anos

Pedro Krambeck, 22 anos, comprava serpentes de outros estados, criava em cativeiro, montado na própria residência, e vendia os filhotes por R$ 500

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O estudante de medicina veterinária Pedro Henrique Krambeck, picado por uma cobra naja no dia 7 de julho, traficava animais silvestres desde 2017, concluiu a investigação da Polícia Civil do Distrito Federal.

O traficante de 22 anos será indiciado por tráfico de animais silvestres e por maus-tratos pelo número correspondente de cobras relacionadas a ele: 23. Além disso, Pedro responderá por associação criminosa e exercício ilegal da profissão.

Em entrevista realizada na manhã desta quinta-feira (13), o delegado Willian Andrade ainda confirmou o indiciamento de outras 11 pessoas, entre elas a mãe e o padrasto de Pedro Henrique.

Segundo informações da Polícia Civil, o jovem "comprava serpentes de outros estados, criava em cativeiro, montado na própria residência, e vendia os filhotes por R$ 500 a interessados".

Pedro Henrique foi preso temporariamente no dia 29 julho pela Polícia Civil do Distrito Federal por suspeita de integrar um esquema para a prática de crimes ambientais, como tráfico de animais. Ele foi liberado dois dias depois.

O suspeito ficou hospitalizado por mais de uma semana após ser picado pela naja e chegou a entrar em coma após o incidente. Como a cobra não é natural do Brasil, só existia uma dose de soro antiofídico no país para tratar a picada. O medicamento teve que ser enviado para o estudante do Instituto Butantan, em São Paulo.

Originária da África e da Ásia, a naja é uma das cobras mais venenosas do mundo.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas