Transalvador suspende ponto de parada para carros de aplicativo na Barra

salvador
21.02.2020, 22:20:00
Atualizado: 21.02.2020, 22:21:03

Transalvador suspende ponto de parada para carros de aplicativo na Barra

Decisão aconteceu por conta do trânsito na região

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Quem vai usar carros por aplicativo para voltar do Carnaval na Barra precisa ficar atento. A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) resolveu suspender o ponto de parada para embarque e desembarque de veículos de aplicativo da Rua Djalma Ramos, na Graça. Em nota, o órgão disse que a decisão foi por questões técnicas.

“A razão é que a via não suportou o grande fluxo de veículos. Além disso, muitos motoristas de app, que deveriam utilizar o local apenas para embarque e desembarque de passageiros, ficavam estacionados no local ou parados em fila dupla, o que agravou os congestionamentos na região”, diz a nota.

Com a mudança, o acesso à rua Djalma Ramos voltou a ser exclusivo para moradores credenciados, ficando, portanto, proibido o acesso para os demais veículos.

Quem está a caminho do Carnaval de Salvador ou segue em direção a regiões próximas ao circuito da folia precisa ter paciência, porque os congestionamentos estão intensos. Mas, apesar dos transtornos, o trânsito ainda está fluindo melhor que no Carnaval de 2019, segundo o superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller. Ele explicou que na quinta-feira (20), primeiro dia da folia, a velocidade média nas principais ruas e avenidas próximas dos circuitos oficiais foi 30% maior do que no ano passado.

“Na avenida Centenário, por exemplo, das 18h de ontem até as 7h de hoje, em 2019, a velocidade média foi de 15.92km/h. Esse ano foi de 25.94 km/h. Uma melhoria de 52.95%. A gente tem um sistema que monitora essas vias. Quando a velocidade média fica abaixo de 10km/h, recebemos um alerta. Foram 67 alertas no ano passado e 17 deles ontem”, contou.

Segundo Fabrizzio, a quinta e a sexta-feira de Carnaval são os dias mais críticos. Nessas datas, alguns moradores das regiões do circuito trabalham e o fluxo de carros entrando e saindo dos prédios e casas, somados àqueles que estão indo para a festa, deixa tudo mais caótico.

Alguns passageiros e motoristas empolgados com a festa dizem não ligar para o tempo perdido, mas outros ficam mais irritados com a situação. Sobre isso, o superintendente afirma: “As pessoas precisam entender que Carnaval não é um dia normal, então, não temos como manter a velocidade dos dias normais. Não é mágica. São mais carros e pessoas circulando nas ruas. São situações que a gente não controla”.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas