Três gigantes dos jogos de azar querem construir cassinos em salvador 

satélite
03.01.2018, 05:00:00

Três gigantes dos jogos de azar querem construir cassinos em salvador 

Jairo Costa Júnior, com Luan Santos

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Três gigantes globais da jogatina colocaram Salvador no centro do mapa de futuros negócios caso a legalização dos cassinos no Brasil seja aprovada. Representantes da Sands Corporation, do grupo MGM Mirage e da holding controlada pelos irmãos Lorenzo e Frank Fertitta - todos com origem em Las Vegas - já visitaram a cidade e, recentemente, se reuniram com o prefeito ACM Neto (DEM). Dona do maior cassino no mundo, o Venetian Macau, a Sands antecipou a pretensão de construir em Salvador o novo recordista no ramo. “As conversas foram produtivas. A Baía de Todos os Santos é a região que mais desperta interesse”, conta o deputado federal Elmar Nascimento (DEM). Ex-presidente da Comissão do Marco Regulatório dos Jogos de Azar na Câmara, Elmar articulou os encontros dos executivos com o prefeito.

Cartas na mesa
O projeto para legalizar os cassinos deve entrar na pauta de votações após o recesso parlamentar. “Está engatilhado. O presidente da Câmara (Rodrigo Maia) só pediu que a gente amadureça um texto comum com outra proposta que tramita no  Senado”, afirma Elmar Nascimento.

Sozinhos na pista
Os deputados estaduais Hildécio Meireles (PMDB) e Luciano Ribeiro (DEM) estão isolados no páreo para suceder o peemedebista Leur Lomanto Júnior como líder da oposição na Assembleia Legislativa. Contudo, integrantes da bancada afastaram qualquer possibilidade de bate-chapa entre os dois e asseguraram que o nome será escolhido após acordo interno. Até o momento, Meireles é apontado como favorito. Tem a favor maior facilidade de diálogo com colegas oposicionistas e lideranças de partidos governistas de centro.

Gota d'água
O presidente da Embasa, Rogério Cedraz, entrou em 2018 com o pé esquerdo. Motivo: a falta de água na noite da virada em Interlagos, justamente o local escolhido pelo governador Rui Costa (PT) para curtir o Réveillon. Instalado na casa alugada  por um ocupante do alto escalão do Palácio de Ondina, Rui perdeu a paciência logo que as torneiras secaram e tascou um puxão de orelha no comandante da Embasa. Às pressas, Cedraz organizou uma operação para retirar o governador da seca. Um tanque foi improvisado nos jardins da casa, situada na Rua da Lua, e carros-pipas garantiram o abastecimento para o chefe.

Pá de cal
Cardeais da bancada baiana no Congresso Nacional acham que o deputado federal Lucio Vieira Lima (PMDB) dificilmente escapará da cassação pela Câmara. Nos últimos dias,  afirmaram à Satélite, o clima contrário a Lucio cresceu no Conselho de Ética da Casa e tende a contaminar o plenário a partir de fevereiro. A avaliação é a de que, em ano eleitoral, a imagem do bunker de R$ 51 milhões vai cimentar a sepultura aberta para o irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Novos rolés
Quatro vereadores de Salvador aproveitaram a folga na Câmara para rodar o interior atrás de apoio às eventuais candidaturas a deputado estadual: Tiago Correia (PSDB), Alexandre Aleluia (DEM), Luiz  Carlos Suíca (PT) e Carlos Muniz (Podemos).

"Há muito a fazer e a eleição será crucial na continuidade da recuperação do país", José Carlos Aleluia, deputado federal do DEM, sobre 2018

Pílulas
Parece piada -
Criticada pela degradação do aeroporto de Salvador, a Infraero distribuiu ontem um card para se despedir “com orgulho” do terminal, que hoje passa para o guarda-chuva da Vinci.    

Adeus, Brasília - De volta à fila dos suplentes baianos há três meses, Robinson Almeida (PT) perdeu ontem o cargo na liderança da sigla na Câmara.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas