Última escola em pré-moldado começa a ser demolida em Salvador

salvador
20.10.2020, 12:39:00
Atualizado: 20.10.2020, 14:59:21
Prefeito e secretário acompanham o início da demolição (Foto: Gil Santos/ CORREIO)

Última escola em pré-moldado começa a ser demolida em Salvador

Espaço fica na Boca do Rio e dará lugar a uma unidade nova com 250 vagas

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O ano de 2020 trouxe muitas mudanças e uma delas foi a extinção das escolas em estilo pré-moldado em Salvador. Nesta terça-feira (20), foi autorizada a demolição da última unidade desse tipo da Rede Municipal que ainda estava de pé, na Boca do Rio. O espaço vai dar lugar a uma escola nova com 250 vagas para estudantes, em tempo integral.

Construir escolas em estilo pré-moldado foi a alternativa encontrada para ampliar a rede de educação infantil em Salvador, há algumas décadas, mas, segundo a prefeitura, esse tipo de estrutura apresentava problemas na rede elétrica e hidráulica que foram agravados pela falta de manutenção. Em 2013, quando começou a atual gestão municipal, havia 45 modelos como esse na capital.

Aos poucos, as unidades foram sendo demolidas e deram espaço a estruturas mais modernas, com ar-condicionado, acessibilidade, brinquedoteca, quadras cobertas, salas multiusos e outros espaços para a formação das crianças. O último modelo que ainda existia era o da Rua Jayme Sapolnik, na Boca do Rio, que começou a ser demolido nesta terça-feira. A unidade já estava desativada. O prefeito ACM Neto assinou a ordem de serviço e acompanhou a demolição.

“Essas escolas foram construídas para dar uma solução de curto prazo, mas com o tempo foram ficando, inclusive ficando sem manutenção, sem conservação, sem cuidado, e a consequência era a gente ter em Salvador escolas que não ofereciam uma condição mínima de segurança e conforto, e um ambiente mínimo para que se fizesse uma educação de verdade. Quando iniciamos nossa gestão, em janeiro de 2013, assumi o compromisso de colocar no chão todas elas e no lugar construir escolas novas e mais modernas, como faremos agora na Boca do Rio”, afirmou.

Prefeito contou que foram demolidas 45 escolas de pré-moldado (Foto: Gil Santos/ CORREIO)

A obra para a construção da nova unidade está prevista para ser concluída em dez meses, ou seja, será entregue pelo próximo prefeito, mas outros 12 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) que já estão prontos serão apresentados até o final do ano. O investimento na Boca do Rio será de R$ 3,4 milhões. Para o secretário municipal de Educação, Bruno Barral, a substituição simboliza um avanço no processo de aprendizagem dos estudantes.

“A educação pedagógica envolve a formação de professor, acompanhamento, interação, metodologia, material de quite escolar, fardamento, a parte da subsistência que aí entra alimentação, e a infraestrutura é algo que dá cobertura para tudo isso. Não adianta fazer tudo isso em uma infraestrutura onde você passe calor durante o dia, tenha goteiras nos dias de chuva ou as paredes dando choque”, disse.

Ele acredita que os novos Centros Municipais de Educação Infantil melhoram também a autoestima dos estudantes, pais e professores. “Quando oferecemos infraestrutura digna para a comunidade escolar como um todo, a convivência e a vivência dentro da escola se tornam muito mais prazerosas. Então, eu acredito que a grande diferença desse novo modelo é a atratividade”, afirmou.

Alguns pais disseram que a mudança pode ajudar a melhorar o desempenho dos filhos. A recepcionista Ana Flávia Sales, 31 anos, tem uma filha de 3 anos e ficou animada com a notícia. “A escola é como se fosse a segunda casa dos nossos filhos, então, se ela está bem cuidada, eles se sentem mais motivados a ir para a escola e a aprender. Estou na torcida para que a obra fique pronta logo, e vou matricular minha menina”, disse.

Para o motorista por aplicativo Adailton Ferreira, 43, os modelos em pré-moldado ficaram na memória. “Meu [filho] mais velho estudou em uma escola assim. De fato, tinha muitos problemas. A sala dele era muito abafada. A gente sempre espera que o novo seja melhor. É o que eu espero também”, contou.

Durante o evento, o prefeito ACM Neto informou que ainda não há previsão de quando as aulas serão retomadas em Salvador e voltou a afirmar que essa decisão será tomada em conjunto com o governo do estado. “Estamos avaliando”, disse.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas