Um caminho a ser percorrido no futebol feminino

ivan dias marques
25.06.2019, 05:00:00
Atualizado: 25.06.2019, 16:59:08

Um caminho a ser percorrido no futebol feminino


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.


França x Brasil foi um jogo bom de assistir. No WhatsApp, no Twitter, até na fila para a revista antes de entrar no local do São João de Santo Antônio de Jesus, a partida foi comentada. Talvez nesse último tenha sido o melhor feedback que tive. Dois homens começaram a conversar sobre o jogo. Já ‘vacinado’, esperava comentários estereotipados, mas tive a ótima surpresa de ouvir elogios à seleção brasileira e, principalmente, à França.

Um dos caras deu a real. “Velho, o futebol francês é um dos melhores do mundo. O Lyon é campeão da Europa o ano todo, papá”. O outro respondeu: “Mas os Estados Unidos que são a melhor seleção, irmão”. “Eu sei, rapaz. Mas a França é barril também”.

Sim, a França é barril. E virou barril chegando na frente numa corrida que o Brasil começou primeiro. Lá em meados da década de 90, quando Sissi já encantava, as francesas nem sonhavam em ter uma seleção, quanto mais uma liga forte. Mas colocaram o objetivo na cabeça, se estruturaram e, voilà, encantam quem as assiste jogar.

A seleção francesa é, literalmente, a nata. Jogadoras que tratam bem a bola, com consciência tática, jogadas ensaiadas, sistema de jogo obedecido à risca. Felizmente, para elas, não precisam se preocupar com um técnico que não tem nível, conhecimento particular ou equipe técnica desproporcional ao que uma equipe nacional exige, como foi o nosso caso.

As brasileiras chegaram às oitavas de final da Copa do Mundo por mérito delas. Tiveram uma das melhores atuações da Seleção na história, em termos de dedicação, consciência, raça e concentração. Mesmo perdendo uma série de companheiras por lesões musculares.

Não pode ser coincidência Fabi, Érika, Andressa Alves e Cristiane se machucarem dessa forma numa preparação e no Mundial, fora Marta, que conseguiu se recuperar mas perdeu a primeira partida. Para mim, é um absurdo Andressa ter uma lesão num treino de Copa do Mundo, onde a intensidade do trabalho precisa ser baixa, só de manutenção diária.

A melhoria da nossa seleção passa pelo investimento nas ligas femininas e com uma gestão que esteja acostumada a lidar com as mulheres e suas diferenças e peculiaridades. A seleção brasileira feminina não pode ser um local para experiências com treinadores e dirigentes que passaram a carreira gerenciando times masculinos e nunca demonstraram ter nível de seleção nacional.

Talvez se a CBF diminuir um pouco dos seus R$ 2,7 bilhões gastos com despesas de pessoal e administrativa nos últimos 16 anos, segundo Amir Somoggi, especialista em gestão esportiva, haja dinheiro para investir no futebol feminino. Dá uma média de quase R$ 170 milhões por ano, em valores atualizados.

O mundo, em si, pouco investe, mas começa a abrir os olhos. O Real Madrid quer montar agora um time de galácticas, em seu segundo ano com equipe feminina. Promete gastar € 2 milhões, pouco menos de R$ 9 milhões, e levar jogadoras como Marta, Amandine Henry (França), Ada Hegerberg (Noruega e atual melhor do mundo na premiação Bola de Ouro, da revista France Football), entre outras.

Aí a comparação com o masculino é inevitável. Quanto o Real Madrid gastaria para trazer três dos melhores jogadores do planeta? Uns € 500 milhões, ao menos. O futebol feminino, como vemos, ainda precisa se desenvolver muito, mas o caminho está sendo percorrido. Ao menos, lá fora.

Ivan Dias Marques é subeditor de Esporte e escreve às terças-feiras

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/depois-de-zidane-renata-fan-recebe-parabens-de-david-beckham-assista/
Ex-jogador inglês enviou mensagem que foi reproduzida no ‘Jogo Aberto’, da Band
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/pf-cumpre-mandados-contra-quadrilha-que-fraudou-mais-de-r-4-milhoes-do-inss/
O grupo é investigado por, pelo menos, 80 benefícios previdenciários suspeitos
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/5-filmes-que-voce-deve-assistir-para-apreciar-as-trilhas-de-ennio-morricone/
Compositor, que morreu aos 91 anos, era grande nome da música no cinema
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/rapper-baiano-hiran-lanca-segundo-disco-galinheiro/
Disco tem participações especiais de Tom Veloso, Majur e outros artistas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/serie-baiana-que-revela-salvador-sombria-ja-esta-disponivel-no-amazon-prime/
Produção tem roteiro e direção de Julia Ferreira, baiana que estudou cinema em Londres e Madri
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/netos-de-luiz-gonzaga-divulgam-nota-de-nojo-por-uso-de-musica-em-live-de-bolsonaro/
Jair Bolsonaro convidou o presidente da Embratur para tocar durante a live da última quinta
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/moradores-da-lapinha-falam-ao-contrario-e-tem-um-dialeto-o-gualin/
Há meio século, falar ao contrário é considerado sinal de pertença para os moradores “raiz” do bairro da Lapinha
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/elza-soares-aos-90-e-cheia-de-projetos/
Cantora lança releitura de 'Juízo Final' e faz live neste sábado (4), com participação de Flávio Renegado
Ler Mais