Um crime nunca deve justificar outro

entrelinhas
28.11.2020, 07:00:00
Atualizado: 28.11.2020, 10:31:09

Um crime nunca deve justificar outro

As notícias que marcaram a semana

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Os protestos que pedem justiça para João Alberto de Freitas, homem negro espancado até a morte por dois seguranças brancos de um supermercado da rede Carrefour em Porto Alegre (RS), ocorreram ao longo da semana em diversas capitais. Começaram no domingo, 22, e se espalharam por Salvador, Belo Horizonte, Rio, São Paulo e Vila Velha.

Nas redes sociais, embora desde o dia do crime as hastags #justicaporbeto e #VidasPretasImportam ocupem posições de destaque no Twitter – chegaram a figurar nos trending topics - muitos internautas que negam o racismo no Brasil relembraram o fato de João Alberto ter respondido por agressão à mulher. Como se isso justificasse seu assassinato.

Protestos em frente à loja Atakadão, do grupo Carrefour, em Salvador (Foto: Nara Gentil/CORREIO)

Fosse a vítima dos seguranças um homem branco, o crime cometido por João Alberto não seria usado para justificar sua morte. Povos que se consideram civilizados não devem justificar um crime por outro.

Antes de institucionalizar a pena de morte, que não existe no Brasil, e ainda por cima da forma mais bárbara, as pessoas deveriam pedir que os agressores de mulheres – e no dia 25 foi o Dia de Combate à Violência contra a Mulher - fossem punidos a partir do efetivo cumprimento das leis.

Na segunda-feira, 23, as ações da Carrefour Brasil caíram 5,3% no pregão da Ibovespa e estiveram entre as maiores quedas do dia. Pelas redes sociais, ativistas pediram o boicote às lojas do grupo.

Boicotes, protestos e atos contra o racismo são tão urgentes e necessários quanto defender a vida das mulheres. Mas, a defesa do fim da violência contra a mulher não deve, nunca, se sobrepor à luta contra o racismo. Principalmente porque as mulheres negras sofrem violência doméstica tanto por machismo quanto por racismo.

Os 'justiceiros' de internet ao comemorar a morte de um agressor de mulheres por espancamento não prestam nenhum serviço à causa do fim da violência doméstica ou do feminicídio.

Desejar a morte de um homem negro de forma violenta porque ele agrediu a companheira é vingança e não justiça. E é também ser muito racista.

Outros destaques da semana

Ônibus ficou totalmente destruído (Foto: Reprodução/GloboNews)

São Paulo: tragédia com 41 mortes em estrada

A colisão entre um ônibus que carregava trabalhadores de uma confecção e uma carreta que levava esterco, na terça-feira, 24, em Taguaí (SP), resultou na morte de 41 pessoas, sendo 37 no local do acidente. O motorista da carreta foi um dos mortos. Ele não tinha autorização para conduzir esse tipo de veículo. Já o motorista do ônibus, que disse à polícia que não conseguiu evitar o choque porque faltou freio, deve responder por lesão corporal e homicídio culposo (quando não existe a intenção de matar). Das 15 pessoas feridas, quatro morreram no hospital.

Laudo sobre queda foi incluso, mas perícia confirmou agressões à Sáttia (Fotos: Google Maps e Reprodução Redes Sociais)

Tentativa de feminicídio

A Polícia Civil manteve o indiciamento do médico Rodolfo Cordeiro Lucas por tentativa de feminicídio contra a também médica Sáttia Lorena Aleixo, 27 anos, que caiu do quinto andar de um prédio em Armação, em julho deste ano. Segundo a investigação, o laudo da perícia  foi inconclusivo sobre como teria ocorrido a queda de Sáttia da janela de seu apartamento, mas concluiu que houve agressões e ameaças físicas de Rodolfo, o  ex-namorado, contra a jovem. O inquérito foi reencaminhado ao Ministério Público da Bahia. Em setembro, o MP-BA havia pedido novas investigações, incluindo a reconstituição da queda e a escuta de mais testemunhas. A médica também prestou novo depoimento.

Sonda foi levada à Lua pelo foguete Longa Marcha-5 (Foto: CNSA/Divulgação)

Sonda lunar

A China lançou, na segunda-feira, 23, a sonda espacial Chang´e-5. O lançamento, a bordo do foguete Longa Marcha-5, aconteceu no Centro de Wenchang, no sul do país. A missão da sonda  é recolher material de pesquisa da superfície da Lua. Foi a primeira missão espacial chinesa desse tipo realizada desde os anos 1970. De acordo com a agência de notícias estatal chinesa, a Xinhua, esta é uma das "missões espaciais mais complexas e desafiadoras que a China já realizou", disse trecho da nota oficial distribuída na terça-feira, 24.  A Chang`e-5 levou dois dias para chegar à Lua e deverá colocar vários módulos de pesquisa na superfície do satélite natural para recolher cerca de dois quilos de amostras. A missão deve durar 23 dias. 

Bolsonaro em live onde negou a 'gripezinha' (Foto: Reprodução)

Gripou, mas esqueceu

O presidente Jair Bolsonaro afirmou em live, na quinta-feira, 26, que não existem vídeos ou áudios em que ele tenha chamado a covid-19 de 'gripezinha'. O problema é que se a memória do chefe do executivo anda curta, a internet não esquece. Em março, com a pandemia instalada, em entrevista e em pronunciamento em rádio e TV, Bolsonaro usou o termo duas vezes para se referir à doença.

Na internet (veja acima) é possível  rever os vídeos das duas ocasiões em que o presidente minimizou a covid-19.

Provas do Enem 2020 serão em 17 e 24 de janeiro de 2021 (Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília)

Nova Chance

Candidatos ao Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 que forem diagnosticados com a covid-19 e ficarem impossibilitados de fazer as provas poderão ter nova chance. A afirmação é do presidente substituto do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Camilo Mussi. Segundo ele, a orientação é que o candidato ligue para a Central de Atendimento do Inep (0800 616161) e comunique a doença 24h antes da prova.

O que as celebridades disseram:

Carolinie Figueiredo, 31, é mãe de duas crianças (Foto: Reprodução/Instagram)

"A verdade é que todas nós já sofremos algum tipo de assédio, abuso ou violência. Se você não lembra é só uma questão de tempo até seu sistema nomear. São as fichas que vão caindo ao longo da vida. Eu demorei 15 anos para compreender que a maneira que perdi minha virgindade também foi um estupro”, Carolinie Figueiredo

A atriz usou as redes sociais, na quarta-feira, 25, Dia de Combate à Violência Contra a Mulher, para contar sobre o abuso sofrido na sua primeira experiência sexual. Ela ainda revelou que passou por violência obstétrica no parto da primeira filha, que fez 9 anos.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas