Um legado de elefantes brancos

miro palma
17.01.2020, 05:00:00

Um legado de elefantes brancos


O Correio oferece acesso livre a todas as notícias relacionadas ao coronavírus. Entendemos que informação séria e confiável é importante nesse momento. Colabore para que isso continue. Assine o Correio.


Não resistiu nem quatro anos. O legado físico dos Jogos Olímpicos para a cidade do Rio de Janeiro não aguentou, nem mesmo, esperar a estreia da próxima Olimpíada, que tem início daqui a exatos seis meses e uma semana, em Tóquio, no Japão. Anteontem, a Justiça Federal no Rio determinou que fossem interditadas as instalações construídas para a Olimpíada de 2016. Isso porque, de acordo com o Ministério Público Federal, os equipamentos não contam com licenças que atestam os requisitos de segurança desses locais como, por exemplo, o laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros e o habite-se da Prefeitura do Rio.

Convenhamos, não há surpresa nisto. Tão logo se encerrou o evento, os gestores públicos e privados que, antes, fizeram mil promessas para a manutenção desse legado, fecharam os olhos para os espaços esportivos. Poucos meses depois, já dava para ver o abandono. O Parque Aquático, o Velódromo, o Campo de Golfe, a Pista de Ciclismo BMX, o Centro Olímpico de Tênis, quase todo o Parque Olímpico ficou jogado às traças. Mais adiante, pouco mais de um ano após os jogos, o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Arthur Nuzman, foi preso em uma operação que investigava um esquema criminoso de compra de votos para a eleição da cidade olímpica de 2016. Ano passado, a autarquia responsável por gerir algumas das instalações do Parque Olímpico, a Autoridade de Governança do Legado Olímpico (Aglo) foi extinta por decreto assinado um ano antes por Michel Temer.

Nem mesmo as pobres mudinhas carregadas pelos atletas durante a cerimônia de abertura dos jogos tiveram seus destinos consumados. As mais de 13 mil mudas que se tornariam a Floresta dos Atletas, compromisso anunciado ao vivo durante a transmissão da cerimônia e que, mais tarde, foi apontado pelo Tribunal de Contas da União como um estelionato moral.

Surpresa, aliás, é saber que, desde a sua inauguração, o Parque Olímpico nunca contou com as licenças necessárias. O jeitinho brasileiro batizado de licença temporária foi o que manteve aberto o espaço até hoje. A manobra, inclusive, foi renovada em maio pelo atual governo estadual do Rio. Já a prefeitura da capital fluminense, aquela que não liberou o habite-se, disse que vai recorrer da decisão da Justiça Federal. Coerência? 

E aí, quando olhamos para Tóquio, chega a ser constrangedor. Ao invés de um megalomaníaco Parque Olímpico, a capital japonesa optou por espalhar as instalações por toda a metrópole, justamente, para evitar o que aconteceu com o Rio e tantas outras cidades sedes de eventos esportivos: um legado de elefantes brancos. A seis meses da abertura, 43 dos 45 equipamentos que serão utilizados já estão prontos – os outros dois devem ser entregues até fevereiro. Desse total, mais da metade já existia (27). Outras dez instalações são feitas de estruturas temporárias e oito foram pensadas para uma utilização pós-jogos.

É injusto comparar Tóquio com o Rio, dirão alguns. No entanto, mais injusto ainda é ver todo o investimento público virando ruínas em um cemitério de memórias olímpicas. O legado dos Jogos Olímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro foi um escárnio sobre o que de pior existe na nossa administração pública. Não aprendemos com o Pan-Americano de 2007, com a Copa do Mundo de 2014, e seguimos sem aprender com as Olimpíadas de 2016. A única coisa que soubemos fazer foi acumular vexames.

Miro Palma é subeditor de Esporte.

***

O CORREIO entende a preocupação diante da pandemia do novo coronavírus e que a necessidade de informação profissional nesse momento é vital para ajudar a população. Por isso, desde o dia 16 de março, decidimos abrir o conteúdo das reportagens relacionadas à pandemia também para não assinantes. O CORREIO está fazendo um serviço de excelência para te manter a par de todos os últimos acontecimentos com notícias bem apuradas da Bahia, Brasil e Mundo. Colabore para que isso continue sendo feito da melhor forma possível. Assine o jornal.


Relacionadas
Correio.play
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/em-live-com-miley-cyrus-anitta-e-chamada-de-icone-pop-brasileiro/
Cantoras conversaram via Instagram e dançaram Rave de Favela
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/ajustes-deixaram-a-ranger-mais-competitiva/
Em vídeo, Antônio Meira Jr., explica o que mudou na picape da Ford
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-teste-de-dna-e-traicoes-abner-e-sthe-ganham-mais-de-16-mi-de-seguidores/
Treta após baiano descobrir que não é o pai de sangue de bebê foi o assunto mais comentado do mundo nas redes sociais
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/baco-exu-do-blues-lanca-ep-contra-o-tedio-da-quarentena/
Preso em casa, artista produziu nove faixas em três dias
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bolsonaro-muda-o-tom-e-diz-que-coronavirus-e-maior-desafio-da-nossa-geracao/
Presidente criticou isolamento mais rígico e voltou a ser alvo de panelaços; veja vídeos em Salvador
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/leo-picon-admite-ser-o-ex-em-comum-de-manu-gavassi-e-rafa-kalimann/
Participantes do BBB falaram, no programa, que já se relacionaram com a mesma pessoa
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/bbb20-dennis-dj-lanca-funk-para-prior-e-manu-baco-canta-a-tropa-do-babu/
Reality show tem mobilizado as redes sociais e famosos têm aderido às torcidas
Ler Mais
https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/cronista-da-velha-sao-salvador-riachao-imprimiu-marca-pessoal-no-samba/
Cantor e compositor morreu na madrugada de segunda-feira (30), aos 98 anos
Ler Mais