Um sonho acabou

trilhas
07.04.2018, 02:46:00

Um sonho acabou

Por Aninha Franco

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Estou no fim da manhã de sexta-feira, 6 de abril, manhã de tensões. Depois de um percurso jurídico acidentado, o líder político mais famoso do Brasil, o pop star Lula da Silva, teve sua prisão decretada para a tarde de hoje. Os movimentos sociais ameaçam, o Partido dos Trabalhadores promete que Lula não se entregará. É um dia propício às reflexões de amanhã, sábado, sobre os sonhos coletivos, esses que se parecem tanto entre si e raramente se tornam realidade.

Vários trechos do Evangelho de Mateus se encontram nos discursos dos guerrilheiros dos Anos 1970, nos textos de Marx e Engels do Século 19, na poesia de John Lennon, nas promessas lulopetistas do final dos 1980, início dos 1990. Todos eles esbravejaram que é mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino do Senhor. Na terra, o Vaticano detentor dos direitos autorais dos evangelhos está podre de rico e sempre dá menos do que guarda. Os textos de Marx e Engels fracassaram na Rússia, em Cuba, na China (?). O lulopetismo enriqueceu líderes da guerrilha dos anos 1970, José Dirceu como exemplo, e centenas dos profetas sindicalistas que assim que chegaram ao poder passaram a comprar agulhas, camelos 
e humanos esquecidos que a questão era ser e não ter.

E o desejo de ter, essa febre, se multiplica sem parar, produzindo ricos em todos os estamentos humanos depois de demolido o juízo estúpido de que existiam humanos melhores que outros, escolhidos por Deus, ou nascidos com sangue azul. A lenda do sangue azul persistiu até a Revolução Francesa quando Luiz XVI e Maria Antonieta, os reis, foram guilhotinados na Praça da Concórdia e milhares de franceses viram, ao vivo e em cores, que seus sangues reais eram vermelhos como o sangue dos servos.

De lá pra cá, a humanidade vem investindo pesadamente no entendimento de que ter azula o sangue e, no Brasil, onde ser nunca mereceu muito respeito, ter ou não ter é quase uma questão existencial, de se eu tenho eu sou. A questão é que,  para ter, por aqui, desde o início, sempre houve o saque à coisa pública, sem que os saqueadores fossem importunados pelas construções de fortunas inconcebíveis de construir-se com funções públicas.

Em 2014, a Lava Jato iniciou um combate à construção dessas fortunas como primeiro projeto ofensivo à corrupção no Brasil, que está corrompido em toda sua pirâmide, e onde ser honesto é exceção e deixar-se corromper é regra geral. A prisão de Marcelo Odebrecht, em 2015, mostrou que a República de Curitiba não brincava. Sua continuidade por três anos esclareceu que ela não era frágil. E a prisão de Lula ilustra isso, agora.

Porque Lula foi um sonho, um dia, de milhares de brasileiros, como eu, de fazer do Brasil um país de políticos sem propriedades construídas com o erário, um país governado sem ganância, combatendo a miséria com educação. Foi um sonho fracassado apesar de nós, os sonhadores, termos transformado suas promessas em possibilidade, levando-o ao poder. Lula traiu o sonho. Este sonho acabou.

Agora é hora do Brasil se reinventar e acreditar no sonho, outra vez, todos juntos, porque “sonho que se sonha só é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade.”

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas