Vendas do varejo baiano crescem 7% em junho, registra IBGE

bahia
12.08.2020, 11:30:00
Vestuário ainda é atividade com pior desempenho no setor (Nara Gentil/Arquivo CORREIO)

Vendas do varejo baiano crescem 7% em junho, registra IBGE

Resultado ainda não compensa perdas acumuladas desde março

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

As vendas de varejo na Bahia cresceram 7% em junho na Bahia, comparando com o mês anterior. Foi o segundo avanço consecutivo este ano. De abril para maio, o crescimento foi de 10,3% no estado, depois de dois meses de queda histórica no indicador, aponta a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE.

Apesar do avanço, o resultado ainda não compensa as perdas acumuladas desde março no setor. Nos quatro meses desde o início do isolamento social, as vendas no varejo baiano tiveram queda de 13,6%.

De maio para junho, o comércio baiano teve crescimento abaixo do registrado no Brasil como um todo, que teve alta nas vendas de 8%. Em 24 das 27 unidades da federação houve alta, com o Pará à frente (39,1%). Tiveram quedas apenas Rio Grande do Sul (-9,0%), Paraíba (-2,4%) e Mato Grosso (-2,0%).

Apesar do resultado positivo desse mês, na comparação com junho de 2019 o desempenho das vendas na Bahia seguiu em queda (-12,6%). Além de ter sido a quarta queda seguida no ano, nessa comparação, para o comércio varejista da Bahia, foi o pior junho desde 2016, quando as vendas haviam recuado -13,2%. 

O recuo baiano (-12,6%) foi o segundo mais intenso entre os estados, ficando acima apenas do Amapá (-14,8%). Foi um resultado ainda bem pior que o nacional, que mostrou variação positiva (0,5%). 

No acumulado nos 12 meses encerrados em junho, comparando com os 12 meses anteriores, o desempenho das vendas do comércio na Bahia também segue negativo (-3,6%) e abaixo do verificado no Brasil como um todo (0,1%).

Atividades do varejo
Comparando com junho do ano passado, as vendas caíram em 5 das 8 atividades de varejo, puxadas pelo vestuário, que teve queda de 79,4%.

Além do segmento de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,4%), que vem se mantendo em alta desde março, móveis e eletrodomésticos tiveram um forte aumento (23,7%), o maior entre as atividades e o primeiro desde fevereiro; e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos também mostraram avanço (6,0%), após dois recuos consecutivos.

Mais uma vez liderando as quedas em junho, o segmento de tecidos, vestuário e calçados (-79,4%) foi, pelo quarto mês seguido, o que mais contribuiu para o recuo do varejo na Bahia. 

No primeiro semestre de 2020, a atividade viu suas vendas caírem quase pela metade (-47,5%) em relação ao mesmo período de 2019.

A segunda principal influência no resultado geral das vendas no estado veio, pelo terceiro mês seguido, do segmento de outros artigos de uso pessoal e doméstico, que teve o terceiro maior recuo (-28,7%). Apesar de cair desde fevereiro, a atividade, que engloba parte representativa dos grandes sites de comércio on-line, vem mostrando redução no ritmo do recuo. 
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas