Vice-presidente se afasta do Vitória e critica Ivã de Almeida: 'Ele não vem ao clube'

e.c. vitória
19.07.2017, 11:28:00
Atualizado: 19.07.2017, 11:54:12

Vice-presidente se afasta do Vitória e critica Ivã de Almeida: 'Ele não vem ao clube'

"Ele não participa das reuniões da diretoria, não atende ligação. Não dá para resolver nenhum problema do clube assim", reclama Agenor Gordilho

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

O vice-presidente do Vitória, Agenor Gordilho, se afastou do clube. Nesta quarta-feira (19), o dirigente confirmou que, "por falta de compatibilidade com o presidente Ivã de Almeida", não pretende mais exercer a função.

Agenor Gordilho é mais um a deixar a gestão Ivã de Almeida no Vitória (Foto: Maurícia da Matta/EC Vitória)

"Eu não entreguei cargo ou renunciei, mas me afastei porque, do jeito que está, não dá. Eu gosto muito de Ivã, nada contra a honra dele, é uma pessoa íntegra, mas quando você assume a presidência de um clube, você precisa se dedicar em tempo integral a ele. Estamos tendo dificuldade até para regularizar atletas porque ele nunca está no clube. Ele não participa das reuniões da diretoria, não atende ligação. Não dá para resolver nenhum problema do clube assim, com ele tão ausente. Nós nos sentimos abandonados. Com meu nome em jogo, eu preferi me afastar", explicou Agenor em entrevista ao CORREIO.

Agora, ele aguarda uma definição de Ivã de Almeida para saber se entregará o cargo ou não. "Estou esperando ele dar um sinal de vida, ver o que quer da vida. Como está, eu não fico. Ele não vem ao clube. Todo dia tem documento para assinar e ele não está aqui. Difícil. Estamos falando de um clube centenário, com R$ 100 milhões de orçamento. Quando você aceita um cargo desses, precisa saber o ônus e o bônus. Enquanto ele não se resolve, vou cuidar de assuntos jurídicos e do basquete. Vou fazendo as coisas que estão ao meu alcance, mas não vou lá no Barradão. Pra quê?", completou.

Em sete meses de gestão do presidente, o diretor jurídico Augusto Vasconcelos e o diretor de futebol Sinval de Almeida já entregaram o cargo.

O CORREIO tentou entrar em contato com Ivã de Almeida, sem sucesso.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas