Vídeo: médicos e pacientes se divertem com desafio da 'pisadinha' em Feira de Santana

bahia
05.11.2018, 17:57:00
Atualizado: 05.11.2018, 18:41:06

Vídeo: médicos e pacientes se divertem com desafio da 'pisadinha' em Feira de Santana

Postagem já tem 17 milhões visualizações no Facebook

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Encarar uma rotina de horas sentado em uma cadeira de ambulatório, por três ou quatro dias da semana, não é nada fácil para quem faz hemodiálise. Para tentar tornar essa luta um pouco mais fácil, a equipe da Clínica Senhor do Bonfim (CSB), em Feira de Santana, resolveu apostar em brincadeira e muita dança. 

Em um vídeo realizado na unidade que atende convênios - o CSB também recebe pacientes pelo Sistema único de Saúde (SUS) em outro prédio - que viralizou na internet, médicos, enfermeiros e pacientes se divertem e dançam ao som da música Guitarrinha (Solta a Pisadinha), música que faz sucesso nas redes sociais pela coreografia coletiva. A ideia surgiu após o Hospital do Rim, em Mossoró, no interior do Rio Grande do Norte, fazer uma gravação no mesmo estilo.

“Nós vimos nas redes sociais um desafio no Nordeste dessa pisadinha e os pacientes gostaram. Eles sugeriram que a gente fizesse e nós acatamos. Eles passam muitas horas na máquina de hemodiálise, então a gente também quis trabalhar esse tempo ocioso, trazer alegria para eles. É humanização, é bom para amenizar o psicológico deles. Ficamos muito surpresos com a repercussão nas redes sociais”, conta Juliana Borges, assistente social do setor de hemodiálise do CSB.

O vídeo foi gravado na quinta-feira passada (1º) e já chegou a 121 mil visualizações no perfil oficial da clínica no Facebook. Um outro internauta, desconhecido pela equipe da clínica, também compartilhou o vídeo e, até a tarde desta segunda-feira (5), já eram 17 milhões de visualizações, além de 372 mil compartilhamentos e 15 mil comentários. Usuários de países como Espanha, Itália e Arábia Saudita comentaram no perfil.

A hemodiálise é rotina para a blogueira Camila Carvalho Coelho, 25, desde os 7 anos. Ela conta que esse tipo de ação ajuda no emocional durante o tratamento.

“Faço hemodiálise há 18 anos e foi muito bom. Aqui tem tantas pessoas que enfrentam esse problema e chegam aqui sem alegria nenhuma, sabe? Isso dá um ânimo”, conta.

A paciente, que sofre de refluxo vesicoureteral - condição anormal onde a urina, que vem dos rins e segue pelos ureteres até a bexiga, retorna para os ureteres -, se submete ao procedimento quatro vezes na semana, durante três horas. 

Camila já passou por dois transplantes e segue na luta (Foto: Acervo Pessoal)

“Já fiz dois transplantes que não deram certo e estou na luta de novo. É difícil, mas não pode desanimar. Venho toda maquiada, me arrumo e procuro sempre motivar outras pessoas, porque isso é muito importante em qualquer tratamento. Precisamos de amor, de carinho”, explica ela, que escreve um diário sobre a doença no blog Cara de Hoje

Ela passou pelo primeiro transplante aos 13 anos, no Hospital Português, em Salvador, mas sua imunidade baixou e o rim parou de funcionar. O segundo foi no ano passado, no Hospital Samaritano, em São Paulo, mas uma trombose durante a cirurgia prejudicou a adaptação do órgão.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas