Vítima beija réu antes dele ser condenado por tentar matá-la no RS

brasil
28.01.2020, 20:25:00
Atualizado: 28.01.2020, 20:27:41
(Divulgação)

Vítima beija réu antes dele ser condenado por tentar matá-la no RS

Ela foi baleada cinco vezes em agosto do ano passado, mas diz que perdoa namorado

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Acusado de tentar matar a namorada em agosto do ano passado, Lisandro Rafael Posselt, 28 anos, foi condenado a sete anos de prisão pelo Tribunal do Júri em Venâncio Alves, no Rio Grande do Sul, nesta terça-feira (28). Uma cena chamou atenção no julgamento: a sobrevivente, Micheli Schlosser, pediu autorização para beijar o agressor, dizendo que o perdoava. A informação é da Zero Hora.

Micheli prestou depoimento no julgamento. Logo depois, pediu para beijar Lisandro, o que foi autorizado. O advogado Jean Severo, que representou o réu, diz que a atitude não foi combinada, mas ajudou na defesa.

"Se a vítima tem essa atitude, ela que é a principal interessada, isso certamente facilitou a nossa argumentação", acredita.

Depois da decisão, a vítima e o agressor tiraram uma foto juntos ao lados do time de advogados da defesa.

Lisandro estava preso desde o dia seguinte ao crime, mas agora deve permanecer em liberdade, pois não possui antecedentes e teve pena menor do que oito anos. 

Ele foi condenado a cinco anos por tentativa de feminicídio privilegiado, por agir sob forte emoção, o que diminui a pena. Houve qualificado de recurso que dificulta defesa da vítima, o que aumenta a pena. Os outros dois anos da condenação foram por porte ilegal de arma.

O advogado dele diz que não vai recorrer. O promotor do caso, Pedro Rui da Fontoura Porto, afirmou que a vítima disse várias vezes durante o processo que era dela a culpa pelo descontrole do homem. Também disse que os dois brigaram depois que ela ameaçou denunciá-lo falsamente por estupro, o que o promotor não acredita. 

"Entendemos que a versão não é verdadeira. Mesmo que fosse, não seria privilegiadora, pois o crime não foi na mesma hora. Ele saiu do local e retornou depois com a arma", diz ele, que vai recorrer para tentar derrubar essa privilegiadora.

Crime
A investigação da polícia apontou que Micheli e Lisandro brigaram na praça central de Venâncio Aires em agosto do ano passado, diante de amigos. Depois, Lisandro saiu mas voltou para lá de moto, com uma arma.

Amigos notaram a aproximação de Lisandro e empurraram Micheli para um carro. Lisandro atirou pelo vidro traseiro do veículo sete vezes - cinco atingiram a vítima. Ela foi internada em hospital da região, mas se recuperou.

Lisandro se apresentou à delegacia no dia seguinte, com a arma do crime, e desde então ficou preso preventimanete. Micheli inicialmente chegou a pedir medida protetiva contra o réu. Depois, mudou de ideia e pediu para que a Justiça a autorizasse a visitar o namorado na prisão, o que não aconteceu.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas