Vítimas de atirador de Goiânia são enterradas

brasil
21.10.2017, 15:30:00
Atualizado: 21.10.2017, 15:37:16
(GUILHERME COSTA_ESTADÃO )

Vítimas de atirador de Goiânia são enterradas

Enquanto o corpo de João Vitor era enterrado, a mãe dele, Katiucia chorava desesperada, ajoelhada no chão

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Na frente do cortejo fúnebre, o pai de João Pedro Calembo, de 13 anos, Leonardo Calembo, era acompanhado por um dos dois irmãos do menino, morto por um colega de classe dentro de uma sala de aula do Colégio Goyases, na manhã desta sexta-feira, 20. Atrás do homem e do garoto, vinham pelo menos duzentas pessoas, entre familiares, amigos e colegas de escola para o enterro, realizado na manhã deste sábado, 21, no Parque Memorial, em Goiânia.

Por estar muito abalada, Bárbara, a mãe do adolescente caminhou mais devagar, chegando um pouco depois dos demais familiares no local do sepultamento. Parentes do garoto, de família evangélica, cantaram uma música em homenagem ao filho. Em seguida, eles aplaudiram e fizeram um minuto de silêncio. 

"João Pedro, Jesus te ama", disse, em voz alta e chorando o avô Ronaldo. Um dos dois irmãos de João Pedro não se desgrudava do avô e derramava lágrimas. "Meu rapazinho", falou baixinho a mãe, na única frase que dela se pode ouvir. Ela erguia a mão esquerda ao céu demoradamente. Em determinado momento, a mão do marido a alcançou.

Segundo enterro

Cerca de uma hora depois, foi enterrada a segunda vítima, João Vitor Gomes, de 13 anos, no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia. Durante o sepultamento, era possível ouvir os gritos da mãe do adolescente. "Meu filho, João Vitor. Mamãe te ama", repetia Katiucia Fernandes. Mais de cem pessoas participam do cortejo.

A mãe foi amparada durante o trajeto da sala de velório ao local de enterro pelo marido e pai de João Vitor, Fabiano, que a segurava pelo braço esquerdo. Do outro lado, ela era abraçada pelo filho mais novo, de 11 anos.

No trajeto, mães de outros alunos do Colégio Goyases, falavam sobre a dor de enterrar um filho. "Não existe nada pior", diziam

Quando chegaram ao local onde o corpo foi enterrado, a mãe de João Vitor já não conseguia se sustentar de pé. Enquanto o corpo do adolescente era enterrado, Katiucia chorava, ajoelhada no chão, com as mãos na cabeça.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas