Vitória Frida altera placar da falocracia

paulo leandro
14.10.2020, 05:00:00

Vitória Frida altera placar da falocracia


Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

Havia uma seção no Esporte Jornal, de Luiz Eugênio Tarquínio, tablóide de toda segunda-feira, chamada Placar Moral. Ali, eram modificados os escores dos jogos, a partir da interpretação particular do editor sobre o desempenho dos teams.

A inspiração vinha de Nelson Rodrigues, para quem “nada mentia mais que o placar de um jogo de futebol”. Não é difícil verificar como o resultado objetivo tem o condão de divergir na balança da deusa da Justiça, Themis.

O futebol é esporte copiado à incoerência do mundo: são bolas na trave, impedimentos mal marcados, pênaltis desperdiçados, o goleiro no dia, são muitas oportunidades de o placar contrariar as vistas. O time joga melhor, mas pode perder. Ou joga mal e vence.

O VAR, ao contrário de aperfeiçoar números definitivos, tem servido de garantia para forjar resultados: a genialidade da trapaça é iniludível na suposta neutralidade de máquinas, justificando a roubalheira higienizada.

À guisa de emudecer o apito da monumental figura do juiz ladrão, suplemento inseparável, especialmente quando rouba para os dois times, termina o VAR obedecendo aos apostadores.

Embora livres de diabólico equipamento, as valorosas jogadoras do Vitória são vítimas do placar, como representantes da nova Confederação do Equador no Brasileiro, corajosas marias-felipas de uma sociedade falocrática, agonizante nos seus estertores.

Consideradas exóticas, por rejeitarem condições subalternas, para lutar pelo protagonismo no futebol, as fridas rubro-negras dão exemplos de como o placar de um jogo pode disfarçar.

São várias as amostras de corrupção dos resultados, como verificou-se na derrota para o Santos, por 1x0, e ainda outra, pelos mesmos números, diante do Flamengo, além do revés contra o Audax por apertados 2x1 e também o Grêmio (2x0).

Hoje, o Vitória enfrenta a Ponte Preta, mas não se pode sentir a menor a equipe de Salvador por contar zero ponto e disputar a lanterna da competição contra a Macaca, igualmente zerada, em curioso duelo, no estádio Barradão, às 15 horas.

Aplicando-se o princípio de justiça reparadora e proporcional, são as rubro-negras as guerreiras brasileiras, à moda Carol do vôlei, tal o desamparo contra o qual lutam, com o objetivo de honrar o distintivo do Decano.

Assim como nada engana mais que o placar de um jogo, e assim, corrijam-se os escores das partidas, tão logo encerradas, também a classificação torna-se passível de alteração, se aplicados valores morais a um bom time de ninfas lutando com sua própria graça.

Em honra à primeira mulher, Pandora, vítima de armadilha, cujo resultado foi soltar do jarro os males do mundo – exceto a esperança –, o time feminino do Vitória torna-se um bem em si mesmo, por dedicar-se com coragem, conhecimento, moderação e justiça.

Comparando-se às estruturas e ao apoio da concorrência sudestina, o Vitória Femens recusa-se a empunhar a lanterna para enxergar a sabotagem de ignorantes bem reaças, cujo pavor às vaginas torna-se estridente.

A missão das leoas foi cumprida com o denodo delas esperado, herdeiras de gerações de atletas dos mais diversos gêneros, a ponto de propor-se rearrumar a classificação, para oferecermos a elas, nesta coluna, o merecido título de campeãs do Brasil. 

Paulo Leandro é jornalista e professor doutor em Cultura e Sociedade.

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas