Vitória repete campanha do 1º turno e sofre para se afastar do Z4

e.c. vitória
26.09.2019, 05:00:00
Atualizado: 26.09.2019, 11:17:06
Geninho vai ter que fazer o Leão subir de produção para conseguir manter o time na Série B do Brasileirão (Foto: Letícia Martins/EC Vitória )

Vitória repete campanha do 1º turno e sofre para se afastar do Z4

Leão precisa melhorar o desempenho para evitar rebaixamento

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A vida do Vitória na Série B do Brasileirão não tem sido nada fácil. O empate por 0x0 com o Atlético-GO, na Fonte Nova, na estreia do técnico Geninho, frustrou os rubro-negros e manteve o Leão na boca da zona de rebaixamento. 

Com 25 pontos, o time é o 16º colocado, com a mesma pontuação do Vila Nova, primeiro no Z4, que é superado no número de triunfos (seis contra cinco).

Falar que o sinal de alerta está ligado na Toca seria puro clichê, já que o rubro-negro passou praticamente todo o campeonato lutando nas últimas colocações da tabela - a melhor colocação foi o 10º lugar na 2ª rodada. Mas sem a esperada reação, a situação do time fica mais preocupante a cada partida. 

Se o primeiro turno do Leão foi para esquecer, o segundo não tem sido parecido com o primeiro, literalmente. Neste início de returno, o Vitória praticamente espelhou o desempenho que teve nos cinco primeiros jogos da Série B. A única exceção foi o empate por 0x0 com Botafogo-SP, no Barradão, na abertura do returno. Na ida, o Leão perdeu para o mesmo Botafogo por 3x1, em Ribeirão Preto. 

Depois disso, resultados iguais: triunfo sobre o Vila Nova, derrotas para Guarani e São Bento e empate com o Atlético-GO. Foram apenas cinco pontos conquistados dos 15 disputados no segundo turno.  

“Acho que a distância hoje das equipes da frente está um pouco grande. Se for começar a se preocupar lá na frente, vai esquecer a sua realidade, que, no momento, é tentar sair do fundo. Tem que ficar numa zona confortável, aí, de repente, você pensa em algo mais. Vai estar mais tranquilo e menos cobrado”, analisou o técnico Geninho logo após a partida contra o Dragão, que marcou sua estreia.

Precisa mudar
Por esse perfil, o Vitória precisa de uma mudança urgente. Se continuar espelhando a campanha do primeiro turno, o Leão terminará a Série B com 40 pontos. Desde 2006, quando o sistema de pontos corridos foi adotado na competição, nenhuma equipe escapou do rebaixamento com essa pontuação. 

De acordo com os cálculos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a pontuação mínima no momento para um time evitar a queda para a Série C este ano é de 46 pontos - 0,6% de chance de queda com essa pontuação. O Vitória precisaria então vencer sete dos 14 jogos que ainda lhe restam.

Porém, com 43 pontos, a UFMG calcula que a chance de queda é de 27%. Só de 42 para baixo é que a probabilidade de rebaixamento passa a ser maior que a de permanência. Com 40 pontos, o risco já é de 89%. Vale lembrar que o desempenho dos times da parte de baixo da tabela neste ano está pior, tanto que o Vitória, com 34% de aproveitamento, encontra-se fora do Z4.

Os próximos adversários, no entanto, não são nada animadores. No domingo, o time visita o líder Bragantino, às 16h. Na sequência, dia 3 de outubro, o Leão recebe o Sport, terceiro colocado, na Fonte Nova. No primeiro turno, o rubro-negro perdeu para os dois rivais.  

Sem tempo
Precisando pontuar a qualquer custo, o técnico Geninho não vai ter muito tempo para preparar a equipe e conhecer todo o elenco que tem à disposição antes de enfrentar o Bragantino. Ainda assim, ele mantém o otimismo. Apesar de reconhecer que o elenco é limitado, o treinador acredita que pode reverter a situação e deixar a equipe em uma situação mais confortável.  
 
“Tem um time, que não é um super time, não é um time que vou falar que vamos dar uma arrancada e ganhar 10 jogos. Mas tem totais condições de fazer uma campanha melhor, jogar melhor, uma maneira mais efetiva e subir na tabela. Aí lá na frente a gente vê. Tudo é uma sequência. A gente tem exemplos de equipes que estavam em último e começaram a ambicionar algo a mais. Primeiro objetivo é fazer sequência de resultado positivos, aí vamos ver para que lado a gente vai. Em termos de elenco, acho que o grupo é para brigar com grandes chances de permanecer na Série B”, finalizou o comandante.

O América-MG se encaixa no exemplo citado por Geninho. O time mineiro chegou a ser lanterna do campeonato e agora ocupa o 8º lugar, a dois pontos do G4. O América, no entanto, está há 12 jogos invicto, sem perder há exatos dois meses, desde 26 de julho, quando levou 1x0 do Atlético-GO.
 

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas