Vitória tem déficit de R$ 42 milhões e dívida recorde a curto prazo

e.c. vitória
27.04.2022, 13:02:00

Vitória tem déficit de R$ 42 milhões e dívida recorde a curto prazo

Balanço patrimonial de 2021 foi publicado pelo clube

O Vitória registrou um déficit de R$ 42,3 milhões no ano de 2021, de acordo com o balanço publicado pelo clube na noite de terça-feira (26). Foram R$ 59,2 milhões em receitas e R$ 101,5 milhões em despesas. Chama atenção, de imediato, o aumento de 105% do déficit no comparativo com o exercício de 2020, quando era de R$ 20,6 milhões. 

O déficit em si não é a única preocupação. Destaca-se o aumento exponencial do passivo circulante, termo contábil para definir as despesas a serem pagas em até 12 meses (curto prazo). Este subiu de R$ 71 milhões ao fim de 2020 para R$ 160,5 milhões em 31 de dezembro de 2021, um salto de 126%.

A gravidade é que o ativo circulante do Vitória não acompanhou o crescimento do passivo. Pelo contrário, caiu pela metade, de R$ 16,5 milhões em 2020 para R$ 8,2 milhões no ano passado. Por definição, ativo circulante são os bens que podem ser convertidos em dinheiro a curto prazo.

Traduzindo da linguagem contábil para o português cotidiano, isso significa que o clube tem R$ 8,2 milhões e deve R$ 160,5 milhões com obrigação de pagamento em até um ano.

E se somar esse passivo de curto prazo com os R$ 111,7 milhões de passivo não circulante, que indica as despesas a serem pagas em longo prazo (superior a 12 meses), o passivo total do Vitória é de R$ 272,2 milhões, enquanto o ativo total fica em R$ 27,9 milhões. Mais uma vez traduzindo: as dívidas do clube superam os bens e direitos em R$ 244,3 milhões.

Contas que não fecham e que levaram a auditoria independente RSM a indicar “a existência de incerteza relevante que pode levantar dúvida significativa quanto à capacidade de continuidade operacional do clube”.

Pesa na análise o fato de 58% da dívida do clube ser a curto prazo (R$ 160 milhões do total de R$ 272 milhões), o que sufoca a gestão.

A empresa acrescenta que “a continuidade futura das atividades operacionais dos negócios do clube dependerá do sucesso nos esforços da sua gestão, com o objetivo de assegurar a recuperação e o equilíbrio econômico-financeiro de suas atividades”.

O documento está disponível no site oficial do Vitória. A publicação segue previsão legal (Lei 9.615/98) que obriga os times de futebol a divulgarem seus balanços até o final de abril do ano subsequente.

O que diz o Vitória
Em nota oficial (leia na íntegra ao fim do texto), o presidente em exercício Fábio Mota afirma que o resultado “decorreu basicamente de 3 fatos contábeis registrados no exercício, todos eles em função do não pagamento de obrigações tributárias, cíveis e trabalhistas vencidas ao longo de 2021”. Ele cita textualmente o Profut, o IPTU e disputas judiciais.

O Profut é um programa criado pelo governo federal em 2015 que facilita o refinanciamento das dívidas dos clubes. O Vitória aderiu naquele ano, mas deixou de pagar as parcelas mensais a partir de julho de 2021, o que representou um impacto de R$ 3,2 milhões.

O IPTU deixou de ser pago em janeiro do ano passado e gerou uma dívida de aproximadamente R$ 25 milhões. Já os valores retidos referentes a bloqueios por ações cíveis e trabalhistas na Justiça, originadas em gestões anteriores ao exercício 2021, somam R$ 15 milhões.

“Verifica-se que sem os efeitos destes registros o Esporte Clube Vitória apresentaria resultado contábil positivo de R$ 943 mil no exercício 2021, demonstrando que o clube, com uma gestão competente, transparente e trabalho conjunto, tem condições de reverter estes resultados no médio prazo e retomar o equilíbrio econômico e financeiro da instituição”, diz Fábio Mota.

O Vitória teve três presidentes em 2021, ano ao qual o balanço se refere. Paulo Carneiro ficou até 2 de setembro, quando foi afastado do cargo por indícios de gestão temerária, segundo o Conselho Deliberativo. A função foi assumida pelo então vice-presidente, Luiz Henrique, até 28 de outubro, quando ele solicitou afastamento. Desde então, o cargo passou a ser ocupado de forma interina por Fábio Mota, que acumula a função de presidente do Conselho Deliberativo.


Confira na íntegra a nota oficial divulgada pelo Vitória:

O Conselho Diretor do Esporte Clube Vitória, na prática habitual de transparência na gestão, vem comunicar e publicar o balanço patrimonial do exercício encerrado no dia 31 de dezembro de 2021, e suas demonstrações.

Os resultados estão apresentados consolidados com o do Vitória S/A, atendendo uma demanda antiga do Conselho Diretor e do Conselho Fiscal do Clube, fato apontado, inclusive, nas ressalvas nos balanços registradas pela auditoria independente nos exercícios anteriores.

O Resultado contábil do Esporte Clube Vitória e Vitória S/A foi negativo em R$ 42.320 mil, e decorreu basicamente de 03 fatos contábeis registrados no exercício, todos eles em função do não pagamento de obrigações tributárias, cíveis e trabalhistas vencidas ao longo de 2021, conforme detalhamos a seguir:

  1. PROFUT – Receita Federal e Procuradoria da Fazenda Nacional, decorrentes da inadimplência total das parcelas a partir de julho/21 e pelo pagamento parcial das parcelas a partir de março/2017. Impacto no balanço na ordem de R$ 3.267 mil;
  2. IPTU – Reversão dos valores de benefícios fiscais, e aumento da provisão para pagamento do ISS/Bingo e RMU-Permissão de uso, devidos à Prefeitura Municipal de Salvador (BA), pelo não pagamento das parcelas vencidas a partir de janeiro/21. Impacto no balanço na ordem de R$ 24.951 mil;
  3. Contencioso Judicial – cível e trabalhista – Aumento das provisões com impacto na ordem de R$ 15.045 mil (originadas em gestões anteriores ao exercício 2021).

Diante dos números acima, verifica-se que sem os efeitos destes registros o Esporte Clube Vitória, apresentaria resultado contábil positivo de R$ 943 mil no exercício 2021, demonstrando que o Clube com uma gestão competente, transparente e trabalho conjunto, tem condições de reverter estes resultados no médio prazo e retomar o equilíbrio econômico e financeiro da instituição.

Fabio Rios Mota

Presidente em exercício do Esporte Clube Vitória

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas