Youtuber Júlio Cocielo se torna réu em processo por racismo

em alta
15.09.2020, 09:08:14
Atualizado: 15.09.2020, 09:13:25
(Foto: Reprodução)

Youtuber Júlio Cocielo se torna réu em processo por racismo

Além de pena de dois a cinco anos de prisão, influencer pode pagar multa de R$ 7,5 milhões

Em momentos como o que vivemos, o jornalismo sério ganha ainda mais relevância. Precisamos um do outro para atravessar essa tempestade. Se puder, apoie nosso trabalho e assine o Jornal Correio por apenas R$ 5,94/mês.

A juíza Cecilia Pinheiro da Fonseca, da 3ª Vara Criminal de São Paulo, aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público (MP) e o youtuber Júlio Cocielo, de 27 anos, se tornou réu em um processo por racismo. Caso seja condenado, a pena é de dois a cinco anos de prisão. As informações são do Uol.

Na denúncia, a promotora Cristiana Moeller Steiner explica que Cocielo, que tem 19,9 milhões de inscritos no YouTube e 8 milhões de seguidores no Twitter, fez diversas postagens de cunho racista entre novembro de 2011 e junho de 2018.

No dia 2 de novembro de 2010, por exemplo, publicou o seguinte texto: "Porque o Kinder ovo é preto por fora e branco por dentro? Porque se ele fosse preto por dentro o brinquedinho seria roubado, KKK #maldade".

Em outra ocasião, em novembro de 2013, escreveu: "nada contra os negros, tirando a melanina...". Um mês depois, disse: "o Brasil seria mais lindo se não houvesse frescura com piadas racistas. Mas já que é proibido, a única solução é exterminar os negros".

Durante a Copa do Mundo de futebol de 2018, Cocielo escreveu que "Mbappé conseguiria fazer um arrastão top na praia, hein", referindo-se ao atleta do selecionado francês.

Além do processo criminal, o youtuber responde também a uma ação civil pública no qual o Ministério Público cobra uma indenização de R$ 7,5 milhões.

Cocielo disse à Justiça ser humorista e nega ter praticado racismo. "Contar uma piada sobre negros não transforma um humorista em uma pessoa racista ou propagador do ódio contra negros, da mesma forma que contar uma piada sobre judeus não transforma um humorista em uma pessoa antissemita", afirmou o advogado Maurício Bunazar, que o representa no processo cível.

Em sua defesa, o youtuber diz que é afrodescentente, nascido em uma família pobre da periferia, e que sabe na pele o que isso significa. "É evidente que Cocielo faz piadas com sua própria condição, o que um artifício humorístico usado por comediantes no mundo todo", diz seu advogado. "Há diversos comediantes judeus que fazem piadas com estereótipos judeus, da mesma forma que muitos comediantes negros fazem piadas com estereótipos da população afrodescendente."

***

Em tempos de coronavírus e desinformação, o CORREIO continua produzindo diariamente informação responsável e apurada pela nossa redação que escreve, edita e entrega notícias nas quais você pode confiar. Assim como o de tantos outros profissionais ligados a atividades essenciais, nosso trabalho tem sido maior do que nunca. Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você e todos os baianos conteúdo profissional. Assine o jornal.


Relacionadas