Oscar Valporto: Amistoso com mais custo do que benefício

Linha Fina Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Dolorum ipsa voluptatum enim voluptatem dignissimos.

Publicado em 24 de fevereiro de 2016 às 05:00

- Atualizado há 10 meses

O amistoso internacional do Bahia na Flórida – contra o Orlando City, time do brasileiro Kaká – no sábado serve realmente para projetar a marca do clube no exterior e para aproximação com o mercado americano, já que a Major League Soccer está se desenvolvendo rapidamente e a indústria esportiva dos Estados Unidos é a maior do mundo. Mas os transtornos causados pelo agendamento de um amistoso em meio a duas competições tornam bastante duvidosa a relação custo-benefício do jogo contra um adversário que está em plena pré-temporada, boa época para esse tipo de partida. Como o amistoso foi marcado sem acordos anteriores com os organizadores do Campeonato Baiano e da Copa do Nordeste, o Bahia ficou na esdrúxula situação de ter dois jogos marcados para o mesmo dia 9 de março. A Federação Bahiana e seus parceiros concordaram em adiar o jogo contra o Galícia, marcado inicialmente para este fim de semana, para o dia 9, única data disponível no calendário do estadual; a CBF e seus parceiros não concordaram em adiar o jogo contra a Juazeirense pela Copa do Nordeste de 9 de março para outra data. O Bahia reclama, reclama, mas nada pode fazer a não ser escalar dois times diferentes para jogos no mesmo dia.Agora, ficamos sabendo de novo transtorno:  o time do Bahia vai ter que viajar em duas partes para a Flórida. Um grupo menor segue quinta-feira e fica fora do jogo contra o Confiança pela Copa do Nordeste no mesmo dia. A maioria – titulares, inclusive – segue viagem  na sexta, véspera da partida. E, por conta desse sacrifício, o técnico Doriva pretende escalar reservas para o jogo contra o Orlando City, na noite de sábado. O Bahia só deve estar de volta a Salvador na segunda-feira. E, na quarta, já tem jogo, de novo contra o Confiança, agora em Sergipe. A maratona seguirá com jogo contra o Bahia de Feira em Senhor do Bonfim, no domingo, dia 6, as duas partidas no mesmo dia, na quarta, 9, e o Ba-Vi no domingo, dia 13. Parece muito sacrifício para um amistoso internacional. Menos mal que o Bahia largou bem nas duas competições, com 100% de aproveitamento e vantagens que deixam o clube perto da classificação no Baiano e na Copa do Nordeste. Menos mal também que o Orlando City – apesar do astro e capitão Kaká – não chega a ser uma força do futebol americano: foi apenas o sétimo colocado na Conferência Leste da MLS em 2015, ficando fora dos playoffs.  Mesmo com os reservas, o Bahia não parece ameaçado de passar vexame, já que o time americano está em pré-temporada e ainda não deve ter o meia italiano Nocerino, principal reforço para 2016. Ainda assim, para uma ação de marketing, o preço é muito alto.ARENA TRICOLOR Só quem não acompanha as notícias do Brasil – o que certamente não é o caso do jornalista Marcelo Sant’Ana, presidente do Bahia – ignora os problemas da concessionária da Itaipava Arena Fonte Nova, causa principal de o clube ter sido obrigado a negociar “com três presidentes, vários diretores e gerentes”, nas palavras do seu dirigente.  E, como o próprio Sant’Ana ampliou o contrato com a Fonte Nova até 2018, depois do fim de seu mandato, as novas críticas à administração do estádio parecem também parte de estratégia política ou plano de marketing.  Apesar da torcida do Vitória lotar a nova arena sempre que o Leão joga lá, Bahia e Fonte Nova estão ligados porque o futuro de um depende do outro.REALIDADE BRASILEIRANada mais impressionante, nos dados divulgados pela Diretoria de Registros da CBF, do que a dura realidade dos jogadores: dos 28.203 atletas com contrato, 82,4% (mais de 23 mil) ganham menos de R$ 1 mil. E outros 22 mil sequer têm vínculos profissionais.

*Oscar Valporto é editor-chefe e escreve às quartas-feiras e domingos.