'É frustrante', diz pai de Geovane após audiência sobre caso ser remarcada

Pai de jovem morto em sede da Rondesp lamenta: 'quero que a Justiça seja feita, mas que não demore tanto assim'

Publicado em 19 de fevereiro de 2016 às 15:34

- Atualizado há 10 meses

“É frustrante. Não dormi direito essa noite. Uma ansiedade muito grande  para essa audiência, mas foi remarcada”, declarou desapontado o comerciante Jurandy Silva de Santana, 42 anos, na manhã desta sexta-feira (19), no Fórum Criminal de Sussuarana, pouco depois de saber que foi adiada a primeira audiência do caso Geovane. 

“A verdade é que ninguém pode medir o tamanho do meu sofrimento. Só quem sabe como tudo está sendo doloroso sou eu. Se marcarem dez vezes, dez vezes estarei aqui”, declarou Jurandy, pai de Geovane Santana Mascarenhas, 22.   “Quero esclarecer logo tudo isso, passar essa agonia. Está sendo muito sofrido não só para mim, como para o restante da família. Quero que a Justiça seja feita, mas que não demore tanto assim”, disse Jurandy.O Ministério Público Estadual denunciou 11 policiais militares da Rondesp no processo que apura a morte de Geovane, após uma abordagem policial. Ainda nesta manhã, um dos advogados dos policiais disse que as imagens da abordagem policial conseguidas por Jurandy não provam se tratar de Geovane. 

O crime, cometido no dia 2 de agosto de 2014, foi apurado depois de o CORREIO denunciar, no dia 13 daquele mês, o desaparecimento do rapaz. O jornal revelou, com exclusividade, imagens da abordagem policial em que Geovane é colocado dentro de uma viatura da Rondesp.“A barbaridade que fizeram com o meu filho... Essa dor vou levar para o resto da minha vida”, declarou Jurandy.