Especialistas defendem multas por câmeras de monitoramento

Novo centro de monitoramento foi inaugurado pela prefeitura

Publicado em 2 de outubro de 2015 às 06:24

- Atualizado há 10 meses

A Resolução de  número 532 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) amplia a possibilidade do uso das câmeras para fiscalização de vias urbanas, que desde o final de 2013 já é autorizado em estradas e rodovias. Segundo a resolução, o motorista deve ser informado - no campo “observação da multa” - que a infração foi constatada através de fiscalização remota.No novo núcleo, agentes monitoram o trânsito com auxílio de câmeras, mapas e gráficos(Foto: Marina Silva/CORREIO)Para a arquiteta e analista de Trânsito e Transporte Cristina Aragón, a medida traz benefícios. “Eu acho que a fiscalização sempre é positiva. A gente tem que ter fiscalização para garantir a segurança no trânsito, porque a gente tem um histórico em que infração e violência no trânsito estão extremamente relacionadas”, disse.

Ela acredita que o videomonitoramento esteja até menos suscetível a brechas para contestação. “Tem até menos brecha do que a ação humana, que é a palavra de um contra a do outro. O vídeo é uma prova. Só é preciso ter cuidado com os casos de carros clonados”, completou.

O consultor e educador em trânsito Rodrigo Ramalho acredita que a ferramenta irá ajudar bastante na fiscalização, mas também criará uma nova categoria de problema a ser enfrentado pelas Juntas Administrativas de Recursos de Infrações (Jari): “Todas as vezes que a gente cria uma nova legislação, cria uma brecha. E sempre vai encontrar uma nova defesa”.

[[saiba_mais]]

Para ele, é preciso criar, junto com o monitoramento, uma campanha de conscientização. “Ser monitorado não é uma invasão de privacidade. É uma melhoria para que todos estejam seguros. As pessoas precisam entender que uma infração cometida é um acidente que não aconteceu”, disse Ramalho.

EXEMPLOS DE INFRAÇÕES QUE AS CÂMERAS PODEM FLAGRARMotorista ao celular  Falta do cinto de segurança   Roubadinhas   Estacionamentos  em locais proibidos  Falta de capacete Seguir veículos de urgência