Funcionários da Revita interditam via em protesto na Barros Reis

Funcinários da Revita acusam guardas municipais de agressão durante blitz na Pituba

Publicado em 30 de outubro de 2015 às 09:53

- Atualizado há 10 meses

Cerca de 50 funcionários da Revita, empresa que presta serviço para a Limpurb, da prefeitura, fizeram um protesto, na manhã desta sexta-feira (30), na Avenida Barros Reis, em Salvador. De acordo com a Central de Polícia, o grupo chegou a interditar uma via, sentido San Martin, em uma manifestação pacífica.

A polícia informou ainda que o grupo reivindicava melhores condições trabalhistas. No entanto, segundo o Sindilimp, que representa a categoria, a motivação do protesto foi uma agressão feita por guardas municipais a trabalhadores da Revita na madrugada de quinta-feira (29), na Av. Manoel Dias, na Pituba. A situação, no entanto, não foi detalhada pelo sindicato. Procurada, a assessoria da Limpurb disse que apenas o Sindilimp poderia explicar o que ocorreu. 

A Revita, empresa terceirizada da Limpurb e à qual os funcionários são vinculados, informou que a situação ocorreu quando um ônibus que transportava os funcionários e se dirigia para o local de trabalho foi parado em uma vistoria em blitz realizada pela Transalvador, na Av. Manoel Dias. Cinco trabalhadores de varrição pública teriam sofrido violência física com chutes, murros e tapas por parte de agentes da Guarda Municipal.

De acordo com a assessoria da Guarda Municipal de Salvador, o problema teria ocorrido quando agentes que participavam da Operação Lei Seca, coordenada pela Transalvador, pediram que o motorista do ônibus de placa policial JNW-7027, que fazia o transporte dos funcionários da Revita, encostasse o veículo para liberar a via depois de ter colidido o retrovisor em um poste situado na canalização demarcada pela Transalvador para realização da blitz. O pedido foi feito para que a passagem de carros que trafegavam na região ficasse livre.

Em nota, a Guarda Municipal disse que o motorista do ônibus, de prenome Gilson, desdenhou dos agentes, atendeu em parte a solicitação e continuou a obstruir a via, sendo necessária a retirada dos cones para liberação do tráfego. Neste momento, seis trabalhadores que eram transportados no veículo desceram para ver o que ocorria. Os guardas então teriam exigido que eles se identificassem, sendo surpreendidos por comentários inadequados em tom agressivo, necessitando a solicitação de apoio de outros agentes. 

A partir daí, foi realizada abordagem preventiva pela Guarda Municipal, procedimento de segurança padrão, e solicitação de documento do motorista e veículo por agentes da Transalvador, constatando-se irregularidades no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo, que foi encaminhado para o pátio do órgão de trânsito. 

A Revita informou que presta solidariedade aos seus trabalhadores, além de toda assistência jurídica necessária, e informa que está apurando, junto às autoridades, a ocorrência do fato para que os eventuais abusos sejam punidos e não voltem a ocorrer contra os profissionais que realizam serviço essencial e contribuem para a limpeza de Salvador. A Superintendência de Segurança Urbana e Prevenção a Violência (Susprev) também ressaltou que está apurando o fato e segue averiguando todas as informações.