Governo propõe que empresas adotem dez medidas na campanha contra o Aedes aegypti

Nesta quarta-feira (24), o encontro será com os movimentos sociais e lideranças religiosas

Publicado em 23 de fevereiro de 2016 às 13:32

- Atualizado há 10 meses

O governo baiano propôs hoje que as empresas adotem dez medidas no intuito de combater o mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão de dengue, zika e chikungunya. Entre as medidas sugeridas estão colocar as campanhas nos contracheques e fundo de tela do computador, estimular os funcionários a baixar o aplicativo Caça Mosquito e denunciar focos encontrados, realizar mutirões para encontrar focos na empresa e nos arredores, entrar em contato com entidades de classe para mobilização em eventos e enviar material descartável para reciclagem, a fim de não acumular lixo.

A proposta foi feita durante encontro do governador Rui Costa com empresários baianos na manhã desta terça-feira (23), no auditório do Senai/Cimatec, em Salvador. “A Coelba está envolvida na campanha contra o mosquito e agora vai se associar à campanha do Estado. Cerca de 15 mil funcionários participarão da campanha, levando o conhecimento para suas casas e suas famílias", disse José Roberto Bezerra de Menezes, presidente da Coelba, durante o evento promovido pelo Governo do Estado.Rui disse que saiu entusiasmado do encontro. “Os empresários saíram com o compromisso de mobilizar suas empresas a favor da saúde e contra o mosquito. Cada um pode criar uma fórmula original, o que interessa é que as pessoas possam ser surpreendidas em um bar, restaurante, loja, para que a Bahia possa se livrar do mosquito e os bebês nasçam com saúde”. Rui também destacou o investimento em tecnologias. “Na Moscamed, em Juazeiro, estamos produzindo um mosquito transgênico que vai reduzir a população do Aedes”.

O governador avalia que uma das principais parcerias foi firmada com a Coelba. “São cinco milhões de residências com contratos. Os funcionários da Coelba fazem a leitura nas casas de cada pessoa da Bahia inteira e poderão indicar os locais com potencial foco do mosquito. Eles vão registrar nos aparelhos, que são geoprocessados, e a informação vai diretamente para o poder público, facilitando o trabalho e aumentando a taxa de acerto das equipes de saúde. Nós vamos determinar que a Embasa faça a mesma coisa”.O presidente da Federação das Indústrias da Bahia (Fieb), Ricardo Alban, disse que esse é um problema de toda a sociedade e que precisa ser encarado pelas consequências imediatas e para as gerações futuras. “O dia 5 de março foi escolhido como o Dia da Indústria Contra o Mosquito. A mobilização será feita dentro de todo o sistema, com ações em 500 empresas na Bahia, que terão os funcionários, escolas, professores e estudantes treinados. Vamos formar cerca de 31 mil agentes multiplicadores dos conceitos de combate ao mosquito".Empresários se reúnem com governador para discutir ações contra o Aedes aegypit

Para isso serão cerca de quatro horas aula para atingir um universo além da indústria, chegando às casas dos colaboradores, dos estudantes. Eles pretendem ainda usar o entretenimento para difundir a mensagem de prevenção, através da montagem de 34 peças teatrais para que o tema seja entendido.Carlos Andrade, presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio), disse que a instituição elogia a iniciativa do governador, de não só fazer a propaganda, mas também convocar as entidades empresariais para que façam parte da iniciativa.

“Hoje a federação do comércio tem 85 % das lojas comerciais e 92% dos empregados filiados. Vamos fazer um trabalho amplo, com campanha de conscientização em todas as notas. Será um trabalho muito proveitoso junto com as outras entidades e com a população”.Nesta quarta-feira (24), às 9h30, o encontro será com os movimentos sociais e lideranças religiosas, na Secretaria de Infraestrutura (Seinfra), no Centro Administrativo da Bahia (CAB). “Eu entendo quem faz um Estado uma nação é o seu povo. Por isso, acho essa reunião importante para que possamos mobilizar diversos seguimentos da sociedade com milhares de baianos", enfatizou Rui.

Principais ações sugeridas pelo Estado:1 - Entrar em contato com a Secretaria de Saúde do Estado pelo [email protected] para solicitar palestras de técnicos para seus funcionários.2 - Colocar as campanhas nos contracheques e fundo de tela do computador.

3 - Estimular os funcionários a baixar o aplicativo Caça Mosquito e denunciar focos encontrados.4 - Realizar mutirão para encontrar focos na empresa e nos arredores.5 - Entrar em contato com entidades de classe para mobilização em eventos.6 - Enviar material descartável para reciclagem, a fim de não acumular lixo.7 - Incluir o combate aos criadouros do Aedes aegypti nas políticas de saúde e segurança ocupacional.8 - Nomear um funcionário responsável por estabelecer um plano com metas e acompanhar as ações.9 - Disponibilizar pessoas para serem treinadas para aplicar inseticida na empresa, que deverá comprar a máquina, o aplicador e o Estado proporcionará o treinamento e o fornecimento do inseticida.10 - Realizar campanhas de combate ao mosquito que envolvam as famílias dos funcionários.