Moradores bloqueiam BA-528 em protesto contra morte de jovem na Fazenda Coutos

Moradores queimaram lixo que estava em um contêiner, além de pneus na pista; os dois sentidos da rodovia foram interditados

Publicado em 14 de outubro de 2015 às 12:46

- Atualizado há 10 meses

Um grupo de moradores da Fazenda Coutos realiza um protesto na manhã desta quarta-feira (14), na BA-528, contra a morte de Jonatas Maia Batista, 22 anos. O jovem foi morto na noite de terça (13) durante uma troca de tiros entre PMs e um grupo de pessoas "em atitude suspeita", segundo a corporação.(Foto: Leitor CORREIO)De acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE), a manifestação, que começou por volta das 10h30, durou cerca de três horas e só foi encerrado por volta das 13h10. Moradores queimaram o lixo que estava em um contêiner, além de pneus na pista. Eles também escreveram mensagens de protesto e pedidos de paz no chão. Com isso, os dois sentidos da BA-528, também conhecida como Estrada do Derba, na altura do km-5, foram bloqueados.Equipes do Corpo de Bombeiros e viaturas da 19ª e 31ª Companhias Independentes de Polícia Militar foram enviadas ao local para atender à ocorrência. Não há estimativa de quantas pessoas participaram do protesto. Procurada, a Polícia Rodoviária Estadual (PRE) também não soube precisar a dimensão do congestionamento causado. Troca de tirosEm nota, a Polícia Militar informou que um grupo de seis pessoas em atitude suspeita iniciou o ataque quando abordado pela viatura na noite de terça-feira (13), na Rua B, em uma localidade conhecida como "Madeirite". No revide, Jonatas foi baleado e socorrido pelos policiais para o Hospital do Subúrbio, onde não resistiu aos ferimentos e morreu. Ainda segundo a PM, Jonatas foi encontrado um revólver calibre 38 com a numeração raspada, capacidade para seis tiros, sendo todos os cartuchos deflagrados, além de 53 porções de maconha embaladas em plástico transparente. Os PMs registraram o fato na Corregedoria da Polícia Militar onde todo material apreendido foi apresentado.

Segundo a assessoria de comunicação da Polícia Civil, por se tratar de um auto de resistência, a morte de Jonatas está sendo apurada apenas pela Corregedoria da Polícia Militar, internamente. O Departamento de Homicídios e Proteção á Pessoa (DHPP) entra no caso, segundo a Polícia Civil, apenas se for provocado pela PM.