Muda de ipê é plantada em homenagem a estudante morta em atropelamento

Bandidos em fuga atropelaram e mataram três pessoas em Armação

Publicado em 28 de fevereiro de 2016 às 16:57

- Atualizado há 10 meses

Uma muda de ipê amarelo foi plantada nesta domingo (28) no local em que a estudante de química Maria Emília Campos, 34 anos, e mais duas pessoas foram atropeladas e mortas em um ponto de ônibus na orla, no bairro de Armação. A ação é homenagem à estudante, que morreu no início deste mês depois de semanas internadas no Hospital da Bahia. Muda foi plantada em homenagem a estudante (Foto: Divulgação)A homenagem foi organizada pela professora da Ufba Zênis Novais Rocha. Amante da natureza, Maria Emília fazia parte do projeto Compostagem Francisco, coordenado pela professora Zênis. O projeto usa resíduos de alimentos do Restaurante Universitário da Ufba para transformar em adubo, que hoje foi utilizado durante o plantio do ipê.

Maria Emília foi atropelada por bandidos em fuga. O acidente aconteceu por volta das 13h30 do último dia 6 de janeiro, em frente ao antigo Clube do Vitória, no sentido Pituba quando um Corsa branco invadiu o ponto de ônibus numa tentativa de fuga de bandidos que vinham realizando vários assaltos nos bairros de Itapuã e na Boca do Rio.

Além de Maria Emília, outras duas pessoas não resistiram aos ferimentos e morreram após o atropelo. Antônio de Carvalho Salomão, 51, e Jairo Alves Fernandes, 39, com o impacto da batida, tiveram as pernas decepadas.Maria Emília não resistiu aos ferimentos e morreu em hospital (Foto: Reprodução/Facebook)Maria Emília foi atendida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhada para o Hospital da Bahia, na Pituba, por um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar. A vítima sofreu múltiplas fraturas nos membros inferiores, sendo uma fratura de maior complexidade na perna esquerda.

Após 30 dias internada no Hospital da Bahia ela passou por diversas cirurgias e vinha apresentando um quadro de melhora progressiva, mas sem previsão de alta médica. Através das redes sociais, familiares e amigos manifestaram a dor da perda.

“Milinha foi uma pessoa tão boa, que lutou pela vida com uma verdadeira guerreira pra poder passar esperança aos amigos e família. Neste tempo em que hospitalizada ela teve o poder de agregar e unir pessoas. Ela lutou para poder se despedir de todos que mais amava e preparou a todos para a sua partida. Para nós, fica a dor da saudade e os agradecimentos a Deus por nos ter proporcionado o prazer de termos Milinha por esses anos”, postou uma amiga.O caso passa a ser investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Até o momento, ninguém foi preso.

[[saiba_mais]]Vítimas estavam em ponto de ônibus (Foto: Arquivo CORREIO)