Pastor acusado pela morte de Lucas Terra proibiu buscas na igreja, diz amigo da vítima

Fiéis que organizaram grupos para procurar o adolescente receberam ordens para parar as buscas

  • Foto do(a) author(a) Wendel de Novais
  • Wendel de Novais

Publicado em 25 de abril de 2023 às 11:32

- Atualizado há 10 meses

. Crédito: Reprodução

Fernando Aparecido da Silva, pastor acusado pela morte de Lucas Terra, em 2001, teria proibido fiéis que eram amigos da vítima de procurá-lo após seu desaparecimento. Pelo menos, é isso que aponta Martoni de Oliveira Costa, primeira testemunha a ser ouvida no júri popular em que Fernando e Joel Macedo, outro pastor, são acusados de envolvimento na morte de Lucas. 

Martoni de Oliveira Costa, era amigo da vítima e congregava com ele na Igreja Universal da Santa Cruz. De acordo com ele, o pastor Fernando, que era coordenador regional das congregações da Pituba, do Rio Vermelho, da Santa Cruz e do Vale das Pedrinhas, convocou uma assembleia para ordenar que as pessoas da igreja parassem de procurar por Lucas.

"Cerca de 50 pessoas estavam procurando por ele, mas o pastor Fernando nos proibiu de fazer isso no domingo [quatro dias após o desaparecimento] quando ele convocou uma reunião para falar com todos. Mesmo assim, nós continuamos procurando. Ele disse que era um 'Luquinhas qualquer que iria atrapalhar a obra' para nos desencorajar a continuar", fala ele.

Ainda em testemunho, Martoni lembrou do último dia em que viu Lucas Terra em vida, justamente no dia 21 de março de 2001, quando o adolescente desapareceu. Ele lembrou que encontrou a vítima na noite do seu desaparecimento, quando ouviu dele que estaria indo até a Igreja Universal da Pituba para encontrar o pastor Fernando.

"Ele me contou que iria para lá e que, na volta, teria algo que iria me contar. A intenção era ir para lá encontrar Fernando e conseguir essa gravata de obreiro. [...] O pastor Fernando, na época, disse que Lucas não tinha estado de lá. Lembro dele dizer que não o conhecia. Quando Lucas desapareceu, o pastor Fernando não demonstrou nenhuma preocupação", afirma Martoni. 

A busca de Lucas por Fernando para conseguir a gravata de obreiro - função de auxiliar na Igreja - se deu, segundo Martoni, porque a vítima, que veio do Rio de Janeiro para Salvador em 2001, congregava com o pastor Fernando na Igreja Universal de Copacabana antes de vir para a capital baiana. 

O júri popular de Fernando e de Joel segue no Fórum Ruy Barbosa. Ao todo, 15 testemunhas serão ouvidas no julgamento, sendo cinco de acusação, cinco da defesa de Fernando e cinco da defesa de Joel.

Confira o depoimento de Martoni de Oliveira:

"Lucas congregava na Igreja Universal de Copacabana, no Rio de Janeiro, com o pastor Fernando [o acusado], que está aqui no plenário. Quando soube que Fernando viria para a Bahia, ficou feliz por poder provar o trabalho que fez como obreiro antes no Rio, mostrar o grau de espiritualidade dele e ganhar a gravata de obreiro na Igreja Universal de Santa Cruz".

"Ele ficou eufórico com a chegada do pastor Fernando e chegou a procurá-lo algumas vezes. No dia 21 de março de 2001, foi a última vez que o vi e ele disse que iria para a Igreja Universal da Pituba. Ele me contou que iria para lá e que, na volta, teria algo que iria me contar. A intenção era ir para lá encontrar Fernando e conseguir essa gravata de obreiro".

"No dia seguinte, quando eu cheguei na Igreja da Santa Cruz, encontrei o pai de Lucas já nervoso perguntando qual era a última vez que eu tinha visto ele. Só foi ali que percebi que ele não tinha retornado. Ele saiu na quarta a noite e eu fiquei sabendo do desaparecimento na quinta".

"O pastor Fernando, na época, disse que Lucas não tinha estado de lá. Lembro que ele dizia não conhecer Lucas. Quando ele desapareceu, o pastor Fernando não demonstrou nenhuma preocupação com o sumiço dele".

"Organizamos grupos para procurar Lucas. [...] Isso porque, antes dele desaparecer, um outro irmão tinha desaparecido na Liberdade, a gente se organizou e conseguiu achar. Acreditamos que íamos conseguir de novo".

"Cerca de 50 pessoas estavam procurando por ele, mas o pastor Fernando nos proibiu de fazer isso no domingo [quatro dias após o desaparecimento] quando ele convocou uma reunião para falar com todos. Mesmo assim, nós continuamos procurando. Ele disse que era um 'Luquinhas qualquer' que iria atrapalhar a obra".

"Quando ele percebeu que eu estava realizando as buscas, o pastor Fernando me advertiu na frente do Silvio Galiza e um segurança. Ele disse que eu estaria dando asas a imaginação do pai de Lucas, que estava pressionando por conta do desaparecimento de Lucas".